Para o alto e avante!

Já falei nesta coluna (ver É difícil ir À Lua) como ir para cima é complicado: a gente precisa de um empurrão bem forte, por causa da gravidade que puxa tudo para baixo. Quanto mais para cima a gente quer ir, muito maior tem que ser esse empurrão. Mas ninguém vê por aí pessoas empurrando foguetes e aviões para o voo, não é?

É que existem estratégias que podemos usar para, literalmente, dar um empurrãozinho nas coisas que queremos que subam ao céu.

Começando com um exemplo bem simples, vamos usar uma bola de tênis e outra de basquete – ou quaisquer duas bolas emborrachadas, sendo uma bem mais pesada que a outra. Deixe a bola mais pesada cair num chão duro: ela vai quicar e voltar até uma certa altura, menor do que a altura de onde você a soltou. Se você fizer o mesmo com a bola mais leve, uma coisa parecida acontece.

Agora, o surpreendente: coloque a bola mais leve em cima da bola mais pesada e solte as duas juntas. Quando elas chegam ao chão, a bola mais leve parece ser impulsionada muito rapidamente para cima, chegando a uma altura muito maior do que aquela da qual ela havia sido jogada inicialmente! Enquanto isso, a bola mais pesada não sobe tanto quanto subia quando jogada sozinha…

Mágica? Claro que não. O que acontece é que, ao colidirem e se empurrarem uma à outra, as bolas trocam o que os físicos chamam de “quantidade de movimento” (o resultado da multiplicação da massa de um corpo por sua velocidade). Uma parte da “quantidade de movimento” da bola pesada foi transferida por colisão para a bola leve, que, por isso, vai mais alto.

Agora que você entendeu como funciona esse princípio, que tal usar uma estratégia parecida para montar seu próprio foguete?

Um foguete movido a água

Pegue uma garrafa PET, que será o nosso foguete, e encha pela metade com água. Arrume uma rolha que encaixe nela e faça um furo que atravesse a rolha de fora para dentro da garrafa, de modo a passar por ela uma mangueira de borracha. Deixe uma ponta da mangueira atravessando a rolha para dentro da garrafa, enquanto a outra ponta é conectada a uma bomba de ar, daquelas de encher pneu de bicicleta (ver figura abaixo).

Iustração de como montar um foguete movido a água

Para montar um foguete movido a água, você vai precisar de garrafa PET, rolha, mangueira de borracha e bomba de ar (Ilustração: Beto Pimentel)

Apoie a garrafa de cabeça para baixo num suporte (pode ser outra garrafa recortada) e bombeie ar para dentro da garrafa. O ar vai entrando em bolhas e aumentando a pressão do ar lá dentro, até uma hora em que a rolha não aguenta mais a pressão e “estoura”.

Quando isso acontece, o ar dentro da garrafa empurra toda a água para fora (e para baixo), mas também a parte de cima da garrafa para cima. Como a garrafa é muito mais leve do que a água, a garrafa vai para cima com muito mais velocidade do que a água vai para baixo, mais ou menos como a bola de tênis com a bola de basquete.

Confira aqui o vídeo deste experimento:

Um aviso, no entanto: peça a um adulto para ajudar você a fazer e lançar o seu foguete de forma segura. Caso contrário, ele pode acabar machucando alguém ou quebrando alguma coisa.

Matéria publicada em 23.11.2011

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

Beto Pimentel

O autor da coluna A aventura da física é apaixonado por essa ciência desde garoto. Hoje, curte também dar aulas e fazer atividades criativas em contato com a natureza e com as outras pessoas.

CONTEÚDO RELACIONADO

Parque Nacional de Itatiaia

A primeira área de preservação ambiental do Brasil

Pequenos notáveis

Conheça os peixes criptobênticos!

Open chat