O verme-elegante

Todos nós um dia fomos apenas uma célula, o zigoto. Dia após dia, ela se dividiu, formando mais células. Primeiro duas, depois quatro, oito… até que, por fim, nosso corpo, com cerca de 1 trilhão de células, estava pronto para o nascimento. Como funciona esse processo? Foi pensando nisso que, em 1963, um grupo de pesquisadores decidiu estudar em detalhes o desenvolvimento de um pequeno verme, chamado Caenorhabditis elegans.

Todos nós um dia fomos uma só célula, que foi se dividindo (como nesta imagem), crescendo e se transformando dia após dia, até formar um corpo. (foto: Wikimedia Commons)

Todos nós um dia fomos uma só célula, que foi se dividindo (como nesta imagem), crescendo e se transformando dia após dia, até formar um corpo. (foto: Wikimedia Commons)

O verme foi descoberto e nomeado em 1900, muito antes dessas pesquisas terem início. Caenorhabditis, em grego, quer dizer “novo Rhabditis”, por conta da semelhança com outro gênero de vermes, chamado… Rhabditis (“que parece uma haste”, em grego). Já o nome elegans, em latim, significa “elegante”, apesar de, cá entre nós, esse bichinho não ser muito charmoso.

O “verme-elegante” mede apenas 1 milímetro de comprimento e vive no solo, onde se alimenta de bactérias. Ao contrário de muitos outros vermes, como as lombrigas, o verme-elegante não é um parasita. (foto: Wikimedia Commons)

O “verme-elegante” mede apenas 1 milímetro de comprimento e vive no solo, onde se alimenta de bactérias. Ao contrário de muitos outros vermes, como as lombrigas, o verme-elegante não é um parasita. (foto: Wikimedia Commons)

Nosso crescimento antes de nascermos é chamado de desenvolvimento embrionário. Todos os animais e até as plantas passam por essa fase, seja dentro do corpo de suas mães, em um ovo ou numa semente. Por que os pesquisadores escolheram estudar o desenvolvimento embrionário no C. elegans? Pela praticidade! Afinal, em apenas poucos dias o zigoto desse verme se desenvolve em um animal adulto. Além disso, esse bichinho é transparente, o que permite ver mais facilmente todas as suas células e até colori-las.

Um verme-elegante com os núcleos de todas as células coloridos de vermelho para uma pesquisa. (foto: Wikimedia Commons)

Um verme-elegante com os núcleos de todas as células coloridos de vermelho para uma pesquisa. (foto: Wikimedia Commons)

Após muito estudo, os cientistas conseguiram analisar, passo a passo, todo o desenvolvimento do verme-elegante, desde o zigoto dentro do ovo até a idade adulta. Ao contrário de nós, esse verme possui menos de mil células quando adulto, e os especialistas agora sabem, exatamente, como cada uma delas se desenvolveu a partir do zigoto. Fascinante, não é?

Os cientistas que iniciaram os estudos sobre o desenvolvimento embrionário do verme-elegante foram agraciados com o Prêmio Nobel. (foto: Wikimedia Commons)

Os cientistas que iniciaram os estudos sobre o desenvolvimento embrionário do verme-elegante foram agraciados com o Prêmio Nobel. (foto: Wikimedia Commons)

Ao longo das últimas décadas, mais e mais estudos foram feitos com esse pequeno animal. Para compreendermos melhor sobre nosso próprio corpo, estudar outros animais é um primeiro passo. Por conta dessa relevância, cientistas que estudam o verme-elegante receberam em 2002, 2006 e 2008 o Prêmio Nobel, a maior premiação que um pesquisador pode ganhar. Uau!

Matéria publicada em 12.05.2017

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

Henrique Caldeira Costa

Curioso desde criança, Henrique tem um interesse especial em pesquisar a história por trás dos nomes científicos dos animais, que partilha com a gente na coluna O nome dos bichos

CONTEÚDO RELACIONADO

Parque Nacional de Itatiaia

A primeira área de preservação ambiental do Brasil

Pequenos notáveis

Conheça os peixes criptobênticos!

Open chat