O enigma da piramboia

Que bicho esquisito! Tem o corpo alongado, como uma cobra. Mas… espere! Lembra algumas espécies de salamandra – deve ser anfíbio! Não, não, não! Tem escamas e quatro nadadeiras – ué, então é peixe! Logo que foi descoberta, no século 19, a piramboia deu um nó na cabeça dos cientistas. Quer saber como eles resolveram o enigma? Vamos viajar no tempo para descobrir!

A piramboia foi descoberta pelos cientistas na primeira metade do século 19, na Amazônia. No começo, não se sabia se a espécie deveria ser classificada como peixe ou anfíbio. A resposta para este mistério só veio alguns anos depois. (Ilustração adaptada de Expédition dans les parties centrales de l’Amérique du Sud (…) / Domínio Público)

Nossa história começa em 1817, quando a arquiduquesa da Áustria, Maria Leopoldina, mudou-se para o Brasil para viver com seu marido Dom Pedro. Junto com ela, vieram vários pesquisadores do Museu de Viena para coletar informações sobre a biodiversidade brasileira. Entre eles estava Johann Natterer.

Durante 18 anos de expedição pelo Brasil, Natterer coletou um vasto material, incluindo minerais, sementes, armas indígenas e animais – especialmente aves – que foram enviados para o Museu de Viena, onde serviram de fonte de estudo para muitos pesquisadores. Dentre os animais encontrados por ele, um dos mais curiosos foi descoberto na Amazônia.

Segundo Natterer, tratava-se de um bicho raro, pouco conhecido até mesmo pelo povo da região naquela época. O corpo alongado, com quatro nadadeiras longas e finas, dá a esse animal uma aparência estranha, que levou os indígenas a lhe chamarem de piramboia, nome que quer dizer “peixe-cobra”.

No primeiro estudo sobre as piramboias, pensava-se que elas fossem anfíbios do grupo das salamandras aquáticas, como esta da foto (Foto: Todd Pierson / CC BY-NC-SA 2.0)

Quando os dois exemplares de piramboia capturados por Natterer chegaram à Áustria, foram examinados pelo naturalista Leopold Fitzinger. Natterer acreditava que a piramboia fosse um peixe, mas Fitzinger discordou e convenceu o colega, dizendo que se tratava de um anfíbio, parecido com algumas salamandras aquáticas que possuem o corpo alongado com braços e pernas muito pequenos – ou até ausentes.

Então, em 1837, Fitzinger deu à piramboia o nome científico Lepidosiren paradoxa, que, em uma mistura de grego e latim, poderia ser traduzido como “sereia escamada paradoxal”. Siren (“sereia” em latim) é o nome do gênero de algumas das salamandras que se parecem com a piramboia. Essas salamandras não possuem escamas (lepidos na língua grega), mas a piramboia, sim. Por isso, ela seria uma “sereia escamada”. Por fim, a dúvida sobre se Lepidosiren seria um peixe ou um anfíbio foi o motivo para o nome paradoxa, que significa “paradoxal” (contraditório) em latim.

Ao dissecar as piramboias no laboratório, Fitzinger, Natterer e outro pesquisador, Theodor Bischoff, observaram uma característica que reforçava a ideia de que esses animais eram anfíbios: a presença de pulmões! Mas não pense que a polêmica terminou por aí…

A piramboia, em conjunto com quatro espécies da África e uma da Austrália, pertence a um grupo de peixes chamado Dipnoi (“dupla respiração”, em grego), cuja principal característica é a presença de pulmões. Quando nascem, as piramboias respiram dentro da água por meio das brânquias. Com o tempo, essas estruturas vão ficando menores, obrigando as piramboias a usarem os pulmões para respirar, colocando a cabeça para fora da água e sugando o ar com a boca. Se não fizerem isso, elas podem morrer afogadas (Foto: Wikipedia / CC BY-SA 2.5)

Pouco tempo depois, enquanto estudava uma espécie de piramboia descoberta na África, o naturalista inglês Richard Owen concluiu que, apesar de possuírem pulmões, esses animais são peixes, sim senhor. A partir daí, pesquisadores de várias partes da Europa se dividiram: uns batiam o pé afirmando que as piramboias são anfíbios, enquanto outros insistiam serem peixes.

Da esquerda para a direita: Johann Natterer, que descobriu as piramboias e as enviou para a Europa; Leopold Fitzinger, que deu às piramboias um nome científico; e Richard Owen, que confirmou que as piramboias são peixes e não anfíbios (Fotos: Wikipedia / Domínio Público).

Com o passar dos anos e após a publicação da Teoria da Evolução em 1859, o enigma da piramboia foi sendo solucionado. Hoje sabemos, graças a muitos estudos de anatomia das espécies viventes e fósseis e também pelo DNA, a verdadeira identidade deste intrigante animal: um peixe que, na linha evolutiva, é parente próximo dos ancestrais dos primeiros anfíbios, que viveram milhões de anos atrás.

Matéria publicada em 01.02.2013

COMENTÁRIOS

  • Heron Legnani de Araújo

    Como diria o Sr Spock, Fascinante.

    Publicado em 18 de junho de 2018 Responder

  • Bruno

    Nunca pensei que teria uma criatura desta

    Publicado em 2 de fevereiro de 2021 Responder

  • Márcia Batista de Castro

    Pergunta com resposta

    Publicado em 13 de maio de 2021 Responder

Envie um comentário

Henrique Caldeira Costa

Curioso desde criança, Henrique tem um interesse especial em pesquisar a história por trás dos nomes científicos dos animais, que partilha com a gente na coluna O nome dos bichos

CONTEÚDO RELACIONADO

Parque Nacional de Itatiaia

A primeira área de preservação ambiental do Brasil

Pequenos notáveis

Conheça os peixes criptobênticos!

Open chat