No embalo da boicininga

Responda rápido: que serpente possui um chocalho na ponta da cauda? Se você disse cascavel, acertou em cheio. Mas você sabia que os povos indígenas deram a essa espécie outros nomes?

Alguns povos que falavam línguas de origem tupi e guarani chamavam a cascavel de boicininga, que significa “cobra que tine”, ou seja, que faz barulho. Outros preferiram boiquira, a “cobra gorda”. E que tal maracamboia, que quer dizer “cobra de chocalho”? De região para região, surgem também variações dessas palavras, como boicinunga, boiçuninga, boiçununga e maracaboia.

Apenas uma espécie de cascavel é encontrada em toda a América do Sul, habitando áreas abertas naturais ou criadas pelo ser humano, como pastagens. O desmatamento das florestas faz com que as cascavéis ocupem áreas onde não viviam naturalmente, como o estado do Rio de Janeiro (Foto: Leandro Oliveira Drummond)

Apenas uma espécie de cascavel é encontrada em toda a América do Sul, habitando áreas abertas naturais ou criadas pelo ser humano, como pastagens. O desmatamento das florestas faz com que as cascavéis ocupem áreas onde não viviam naturalmente, como o estado do Rio de Janeiro (Foto: Leandro Oliveira Drummond)

O termo “cascavel” é uma palavra da língua portuguesa, que quer dizer “guizo” ou “chocalho”. Com o tempo, a serpente-de-cascavel passou a ser chamada por nós apenas de cascavel.

Atualmente são conhecidas cerca de 30 espécies de cascavéis, mas apenas uma existe no Brasil – as outras vivem na América Central e América do Norte. Nossa cascavel é denominada cientificamente de Crotalus durissus.

O nome Crotalus tem origem grega e quer dizer – adivinhe? – “chocalho”. Já durissus é um termo em latim, cujo significado é “muito duro”. Agora, não se engane: não é o chocalho da cascavel que é muito duro, e sim as escamas ásperas que revestem o corpo da serpente.

O chocalho é uma curiosa estrutura presente na cauda das cascavéis. À medida que a serpente cresce, troca suas escamas antigas por novas, e o chocalho ganha um novo segmento. A troca de escamas pode ocorrer mais de uma vez por ano, e o chocalho é frágil e pode se quebrar quando fica grande (Foto: Leandro Oliveira Drummond)

O chocalho é uma curiosa estrutura presente na cauda das cascavéis. À medida que a serpente cresce, troca suas escamas antigas por novas, e o chocalho ganha um novo segmento. A troca de escamas pode ocorrer mais de uma vez por ano, e o chocalho é frágil e pode se quebrar quando fica grande (Foto: Leandro Oliveira Drummond)

Um detalhe interessante é que existem subespécies de Crotalus durissus, ou seja, as cascavéis de algumas regiões possuem leves diferenças, mas não o suficiente para serem consideradas espécies distintas (o mesmo acontece, por exemplo, com cães e lobos).

No Brasil, há seis subespécies de Crotalus durissus. Na região norte, estão presentes C. d. ruruima (nome indígena do local onde vive, o Monte Roraima), C. d. marajoensis (vista apenas na Ilha do Marajó) e C. d. dryinas (encontrada no Amapá, e cujo nome talvez faça referência às ninfas das árvores, divindades gregas). A Caatinga é o habitat da C. d. cascavella (aposto que você sabe o que este nome significa!). O Cerrado da região central do país é lar de outra subespécie, a C. d. collilineatus (seu nome, em latim, quer dizer “que tem linhas no pescoço”, por causa do seu padrão de cor). Por fim, temos C. d. terrificus, que é encontrada principalmente no sudeste e sul do Brasil (seu nome vem do latim “terrível”, por causa do medo que as pessoas geralmente têm desta serpente).

É importante você saber que nem todos pesquisadores concordam com isso. Há estudos que indicam que algumas subespécies de cascavel não podem ser diferenciadas entre si. A verdade é que ainda temos muito que estudar sobre as cascavéis da América do Sul. Quem se candidata?

Matéria publicada em 06.09.2013

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

Henrique Caldeira Costa

Curioso desde criança, Henrique tem um interesse especial em pesquisar a história por trás dos nomes científicos dos animais, que partilha com a gente na coluna O nome dos bichos

CONTEÚDO RELACIONADO

Parque Nacional de Itatiaia

A primeira área de preservação ambiental do Brasil

Pequenos notáveis

Conheça os peixes criptobênticos!

Open chat