Jornal do Seu Lelé, jornal do mundo

Havia uma pequena tipografia no final da rua onde trabalhava um senhor conhecido como Seu Lelé. Era a única existente em toda a cidade e, assim, cartazes, convites, propagandas e até mesmo o jornal mensal saíam de suas máquinas. Num tempo em que não havia computadores, fotocopiadoras ou aparelhos eletrônicos, cada palavra impressa era pacientemente montada em sucessivas letras de metal – um exercício de enorme paciência e extremamente demorado. Letra após letra, formavam-se palavras, sentenças e parágrafos, compondo textos geralmente curtos e sem fotografias.

As novidades do Jornal de Seu Lelé eram sempre notícias do passado montadas letra a letra, como as sucessões de rochas existentes na superfície da Terra. (foto: Damiao Santana / Flickr / <a href=https://creativecommons.org/licenses/by-nc/2.0/deed.pt>CC BY-NC 2.0</a>)

As novidades do Jornal de Seu Lelé eram sempre notícias do passado montadas letra a letra, como as sucessões de rochas existentes na superfície da Terra. (foto: Damiao Santana / Flickr / CC BY-NC 2.0)

Assim, construía-se mensalmente o Jornal do Seu Lelé. Por vezes, atrasava e as notícias – que já não eram muito novas – ficavam cada vez mais velhinhas. Mesmo assim, o jornal era esperado com impaciência. Lá estavam as notícias de nascimentos, casamentos, enterros e aniversários. Era meio estranho, porém refletia nosso cotidiano e registrava o progressivo transformar de nossas vidas. Por mais importante que fosse um evento, se não estivesse documentado por Seu Lelé, simplesmente jamais teria existido.

Analisando as camadas de rocha, podemos contar a história do mundo, como em um jornal diário das transformações de nosso planeta. (foto: Ismar Carvalho)

Analisando as camadas de rocha, podemos contar a história do mundo, como em um jornal diário das transformações de nosso planeta. (foto: Diego Gracioso)

Algo parecido ocorre com nosso planeta. As rochas, os minerais e os fósseis, à semelhança das letras de metal de uma tipografia, compõem as palavras que nos contam sobre os eventos que se passaram em nosso planeta. Se não estão presentes, parte da história da Terra se perde para sempre, impossibilitando que consigamos ler o Jornal do Mundo.

Nele, as rochas nos contam tanto o dia a dia dos ambientes sobre a superfície quanto os eventos que se passam em seu interior. Os minerais, como parte das rochas, nos informam fatos muito variados, como a temperatura da água dos mares primitivos, a idade das rochas e até mesmo o clima do passado. Já os fósseis, restos preservados de animais e plantas, relatam as trajetórias de transformações pelas quais a vida passou ao longo do tempo, mostrando-nos o surgimento de novas espécies, além do desaparecimento de outras para sempre.

Os minerais, além da beleza de cores e formas, registram informações importantes sobre os eventos ao longo do tempo. Estudando-os, podemos saber a idade das rochas. (foto: Didier Descouens / Wikimedia Commons / <a href=http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/deed.en>CC BY-AS 3.0</a>)

Os minerais, além da beleza de cores e formas, registram informações importantes sobre os eventos ao longo do tempo. Estudando-os, podemos saber a idade das rochas. (foto: Didier Descouens / Wikimedia Commons / CC BY-AS 3.0)

Por vezes, as histórias que a Terra nos conta mostram o quão conturbados foram certos momentos de seu passado. Entre eles, vulcões e terremotos implacáveis que destruíram tudo o que era vivo e se encontrava ao seu redor, maremotos e tempestades estrondosas que modelavam e esculpiam a superfície de nosso mundo. Mas, em outras ocasiões, nosso planeta conta a tranquilidade do tempo bom e da calmaria que possibilita a diversidade e a proliferação da vida.

Os animais e plantas que viveram no passado e conseguiram se preservar como parte das rochas mostram a diversidade da vida ao longo da existência da Terra. (foto: Ismar Carvalho)

Os animais e plantas que viveram no passado e conseguiram se preservar como parte das rochas mostram a diversidade da vida ao longo da existência da Terra. (foto: Ismar Carvalho)

O Jornal do Seu Lelé era mesmo parecido com o Jornal do Mundo: suas notícias se acumulavam no decorrer do tempo e, assim como as da Terra, mostravam que nossa rotina do presente será sempre o passado do futuro.

Matéria publicada em 09.05.2014

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

Ismar de Souza Carvalho de Souza Carvalho

CONTEÚDO RELACIONADO

Parque Nacional de Itatiaia

A primeira área de preservação ambiental do Brasil

Pequenos notáveis

Conheça os peixes criptobênticos!

Open chat