Jiboia, sucuri… Tem cobra gigante aí?

Você já ouviu alguma história sobre serpentes gigantes que vivem nas matas ou nos rios? Cobras com muitos metros de comprimento, capazes de devorar um boi e temidas até pelas onças-pintadas. Será que elas realmente existem no Brasil? Continue lendo e descubra o que é verdade e o que não passa de lenda!

Histórias sobre serpentes gigantescas foram e ainda são contadas por muita gente. (ilustração: Dictionnaire pittoresque d'histoire naturelle et des phénomènes de la nature /  CC BY-NC-SA 2.0)

Histórias sobre serpentes gigantescas foram e ainda são contadas por muita gente. (ilustração: Dictionnaire pittoresque d’histoire naturelle et des phénomènes de la nature / CC BY-NC-SA 2.0)

A primeira espécie da nossa lista é a Boa constrictor, popularmente chamada de jiboia. Lendas antigas contam que existia, na Itália, uma imensa serpente chamada Boa – vem daí o nome do gênero das jiboias. Apesar disso, na natureza as jiboias não são grandes como a serpente lendária: geralmente chegam a dois ou três metros de comprimento. A maior jiboia já medida por cientistas tinha 4,45 metros.

Os cientistas reconhecem hoje apenas uma espécie de jiboia, a <i>Boa constrictor</i>, que ocorre no México, na América Central e na América do Sul, incluindo todo o Brasil. “Jiboia“ tem origem na língua indígena tupi, mas seu significado ainda gera dúvidas. Alguns especialistas dizem que significa “cobra grossa”; outros dizem que é “cobra arco-íris” (por suas escamas às vezes refletirem várias cores); por fim, há quem diga que “jiboia” quer dizer “cobra-martelo” ou “cobra-machado”, por causa do seu bote. (foto: Henrique C. Costa)

Os cientistas reconhecem hoje apenas uma espécie de jiboia, a Boa constrictor, que ocorre no México, na América Central e na América do Sul, incluindo todo o Brasil. “Jiboia“ tem origem na língua indígena tupi, mas seu significado ainda gera dúvidas. Alguns especialistas dizem que significa “cobra grossa”; outros dizem que é “cobra arco-íris” (por suas escamas às vezes refletirem várias cores); por fim, há quem diga que “jiboia” quer dizer “cobra-martelo” ou “cobra-machado”, por causa do seu bote. (foto: Henrique C. Costa)

O nome específico da jiboia dá uma dica sobre como esta serpente captura suas presas. Em latim, constrictor significa “constringir”, ou seja, “apertar em volta”. Quando uma jiboia está com fome, fica quietinha esperando alguma presa, como um gambá ou um rato, cruzar o seu caminho e… rá! Dá o bote e se enrola em volta da vítima, matando-a por asfixia e parada cardíaca.

Grande nadadora
Se você achou a jiboia grande, é porque não conhece as sucuris, que vivem nos rios da América do Sul. Elas pertencem ao gênero Eunectes, nome que significa “boa nadadora” em grego, em referência ao seu hábito aquático. No Brasil, ocorrem três espécies. Vamos conhecê-las?

A palavra “sucuri” vem da língua indígena tupi e quer dizer “mordedora rápida”. Mas muita gente conhece essas serpentes como “anaconda”. Essa palavra, acredite, surgiu no Sri Lanka, um país da Ásia, e era usada para se referir a algum tipo de cobra de lá. Ela passou a identificar as nossas sucuris após muita confusão de escritores e pesquisadores séculos atrás. O verdadeiro significado de “anaconda” é desconhecido, mas talvez seja “o que mata um elefante” ou “serpente relâmpago”. Na foto, uma sucuri-de-Marajó“. (foto: Maël Dewynter)

A palavra “sucuri” vem da língua indígena tupi e quer dizer “mordedora rápida”. Mas muita gente conhece essas serpentes como “anaconda”. Essa palavra, acredite, surgiu no Sri Lanka, um país da Ásia, e era usada para se referir a algum tipo de cobra de lá. Ela passou a identificar as nossas sucuris após muita confusão de escritores e pesquisadores séculos atrás. O verdadeiro significado de “anaconda” é desconhecido, mas talvez seja “o que mata um elefante” ou “serpente relâmpago”. Na foto, uma sucuri-de-Marajó“. (foto: Maël Dewynter)

A sucuri-de-Marajó, como o nome já diz, habita a ilha de Marajó e algumas outras regiões do Pará, do Amapá e da Guiana Francesa. É a mais rara e menor espécie de sucuri brasileira, medindo até três metros de comprimento.

Em 1924, o ornitólogo ítalo-americano Rodolphe Meyer de Schauensee capturou uma sucuri no Marajó e levou-a viva para o Jardim Zoológico da Filadélfia, nos Estados Unidos. Doze anos depois, a cobra foi identificada pelos pesquisadores Emmett Dunn e Roger Conant como uma espécie nova e ganhou o nome científico Eunectes deschauenseei em homenagem ao seu coletor.

As sucuris-amarelas vivem na região da bacia do Rio La Plata. No Brasil, podemos encontrar esta espécie principalmente no Pantanal. (foto: Christian Ostrosky / CC BY-NC-ND 2.0)

As sucuris-amarelas vivem na região da bacia do Rio La Plata. No Brasil, podemos encontrar esta espécie principalmente no Pantanal. (foto: Christian Ostrosky / CC BY-NC-ND 2.0)

Um pouco maior que a sucuri-de-Marajó e com um colorido bem diferente, a sucuri-amarela (Eunectes notaeus) chega aos quatro metros de comprimento. Ao identificá-la pela primeira vez como membro de uma nova espécie em 1862, o pesquisador norte-americano Edward Drinker Cope observou que suas escamas dorsais eram maiores e em menor número que as de outras sucuris. Essa diferença no tamanho das escamas fez Cope dar às sucuris-amarelas o nome específico notaeus, que significa “dorso” ou “costas” em grego.

O título de maior serpente vai para…
Mas a maior de todas as espécies de sucuri e também maior serpente das Américas é a Eunectes murinus, conhecida como sucuri-verde. Ninguém sabe ao certo porque Carl Linné escolheu o nome murinus (“de rato” em latim) para esta espécie que ele descreveu em 1758. Talvez as peles e os exemplares preservados que Linné viu tivessem a cor de um rato; ou ele pode ter se inspirado nos relatos de viajantes que diziam que as sucuris comem grandes roedores como as pacas e capivaras – provavelmente nunca saberemos a resposta…

Dizem por aí que uma sucuri consegue devorar um boi inteiro e que, quando se enrola em volta da presa, quebra todos os seus ossos. Na verdade, assim como as jiboias, as sucuris matam a presa por asfixia e parada cardíaca, mas um ou outro osso pode sim, se quebrar no processo. Quanto ao boi, nenhuma sucuri fica tão grande a ponto de conseguir engolir um, mas elas podem comer animais como capivaras, antas e até um bezerro. (foto: barloventomagico / CC BY-NC-ND 2.0)

Dizem por aí que uma sucuri consegue devorar um boi inteiro e que, quando se enrola em volta da presa, quebra todos os seus ossos. Na verdade, assim como as jiboias, as sucuris matam a presa por asfixia e parada cardíaca, mas um ou outro osso pode sim, se quebrar no processo. Quanto ao boi, nenhuma sucuri fica tão grande a ponto de conseguir engolir um, mas elas podem comer animais como capivaras, antas e até um bezerro. (foto: barloventomagico / CC BY-NC-ND 2.0)

Agora, de uma coisa nós sabemos: é desta espécie que falam muitas histórias sobre serpentes gigantes de dez, 20 metros – até mais! – de comprimento. Só que a realidade é bem diferente. Não existe nenhum registro confiável de uma sucuri-verde tão grande.

As maiores sucuris-verdes já medidas por cientistas tinham entre sete e oito metros, e hoje em dia encontrar uma sucuri na natureza com mais de quatro metros não é nada fácil. Sorte para quem tem medo, azar para aqueles que, como eu, têm muita vontade de ver um gigante desses em seu hábitat natural!

Matéria publicada em 05.06.2015

COMENTÁRIOS

  • Rozaa :D

    Achei o texto uma MARAVILHA parabéns uhuuuuuu agora sei de muitas coisas sobre belas cobrinhasssss <33

    Publicado em 23 de agosto de 2021 Responder

  • Rozaa :D

    Achei o texto uma MARAVILHA parabéns uhuuuuuuuuu agora sei de muitas coisas sobre belas cobrinhasssss <33

    Publicado em 23 de agosto de 2021 Responder

  • Anaa :)

    Amei também muito bom

    Publicado em 23 de agosto de 2021 Responder

  • Anaa :)

    Amei também muito bom aprendi muuito parabéns

    Publicado em 23 de agosto de 2021 Responder

  • Anaa :)

    Amei também muito bom aprendi muuito parabéns <3

    Publicado em 23 de agosto de 2021 Responder

  • Anaa zasnicoff :)

    Amei também muito bom aprendi muuito parabéns <3

    Publicado em 23 de agosto de 2021 Responder

    • Rozaa :D

      Que tanto de comentário amgggg IMJENFJNQISK,WIAMAKJDHEKZKXJSM :)))

      Publicado em 23 de agosto de 2021 Responder

  • Anaa :)

    Mandei 4 vezes KAKAKSJSN SKSISJSJJWISJDND

    Publicado em 23 de agosto de 2021 Responder

  • Tiger

    Texto perfeito! cobras são bonitas

    Publicado em 23 de agosto de 2021 Responder

  • Tiger

    Texto perfeito! cobras são bonitas! acho que gostei da sucuri amarela

    Publicado em 23 de agosto de 2021 Responder

  • Tiger

    Texto perfeito! cobras são bonitas! acho que gostei da sucuri amarela

    Publicado em 23 de agosto de 2021 Responder

    • gabi

      oi pra que trez vezes

      Publicado em 23 de agosto de 2021 Responder

      • Tiger

        sei lá

        Publicado em 23 de agosto de 2021

  • gabriela

    que legal aprendi sobre varias cobras ! adorei

    Publicado em 23 de agosto de 2021 Responder

  • laranja bombada

    hehehe

    Publicado em 23 de agosto de 2021 Responder

  • Anônimo

    texto horrìvel. o que vcs veem de especial nele?

    Publicado em 23 de agosto de 2021 Responder

    • gabi

      quem é anonimo

      Publicado em 23 de agosto de 2021 Responder

  • gabi

    quem é anonimo

    Publicado em 23 de agosto de 2021 Responder

  • Anônimo

    Eu…..

    Publicado em 23 de agosto de 2021 Responder

  • Anônimo

    Você se cham Gabi? o que tem na sua casa? manda foto

    Publicado em 23 de agosto de 2021 Responder

  • gabrielle

    nao te interessa

    Publicado em 23 de agosto de 2021 Responder

  • Anônimo

    aé? não fala assim comigo menininha! você não sabe com quem está falando

    Publicado em 23 de agosto de 2021 Responder

  • Anônimo

    E vê se me responde logo menina feia!

    Publicado em 24 de agosto de 2021 Responder

  • Gabrielle

    Não tô afim….

    Publicado em 24 de agosto de 2021 Responder

  • Anônimo

    Pode esperar… Vc vai ver…

    Publicado em 24 de agosto de 2021 Responder

  • Tiger

    Gente, para, porfavor. Não tem motivo para essa briga.

    Publicado em 24 de agosto de 2021 Responder

Responder Cancelar resposta

Henrique Caldeira Costa

Curioso desde criança, Henrique tem um interesse especial em pesquisar a história por trás dos nomes científicos dos animais, que partilha com a gente na coluna O nome dos bichos

CONTEÚDO RELACIONADO

Parque Nacional de Itatiaia

A primeira área de preservação ambiental do Brasil

Pequenos notáveis

Conheça os peixes criptobênticos!

Open chat