Flúor, para que te quero?

O flúor é um elemento químico encontrado em quantidades variáveis em todos os tipos de rochas e solos, nas águas de rios, lagos e mares, e também nos seres vivos. Alguns alimentos, como o fígado bovino, peixes, frutos do mar e chás (verde ou preto) são ricos em flúor. Este elemento é adicionado à composição de cremes dentais, soluções para bochechos, géis de flúor para uso tópico e à água fornecida por algumas empresas distribuidoras, para ajudar a reduzir a incidência de cáries nos dentes.

A cárie dentária é uma doença infecciosa e transmissível, causada por bactérias. Para ter dentes sem cáries, evite o consumo frequente de doces e escove sempre os dentes após as refeições (foto: Sappymoosetree / Flickr/ CC BY-NC 2.0).

Estudando crânios de humanos que viveram no final da era paleolítica (de 12 mil a 10 mil anos antes de Cristo), os paleontologistas verificaram que cerca de 60 a 70% deles apresentavam dentes com cárie. Entretanto, elas eram encontradas em pequeno número (principalmente nas depressões dos molares e pré-molares) e eram mais frequentes em adultos do que em crianças e adolescentes.

Este padrão de ocorrência de cáries se manteve praticamente inalterado até o final da Idade Média (cerca de 1453 depois de Cristo), mas começou a mudar a partir do século XVII. A partir desta época, as cáries começaram a atingir também as superfícies lisas dos dentes, e aumentaram tanto o número de dentes atingidos como o número de lesões por dente. O aumento da incidência de cáries a partir do século 17 é atribuído à ampliação do consumo de açúcar de cana, que começou a ser produzido em grande quantidade pelas colônias europeias na América.

A cárie dentária é uma doença infecciosa e transmissível, causada por bactérias, como Streptococcus mutans. A cárie tem início quando a bactéria se fixa sobre a superfície que protege o dente (o esmalte, formado por proteínas e minerais de cálcio e fosfato, principalmente a hidroxiapatita) e usa o açúcar presente na saliva para obter energia para crescer, formando placas dentárias. Ao usar o açúcar para crescer a bactéria produz ácido láctico (um processo conhecido como fermentação láctica), aumentando a acidez na superfície do dente, levando à desmineralização do esmalte, e à formação de pequenas cavidades que são invadidas pelas bactérias.

O processo continua até atingir a dentina e a polpa do dente, de onde a bactéria pode atingir a corrente sanguínea e provocar graves infecções em outras partes do corpo. Com o passar do tempo, todo o dente é destruído. Como a formação da placa dentária e a produção de ácido que provocam a cárie são dependentes da ingestão de açúcar, quanto mais frequente for a ingestão deste, maior será a incidência de cáries.
Uma forma de combater este mal foi descoberta pelo cirurgião dentista americano Frederick S. McKay no início do século passado. Trabalhando em uma cidade dos Estados Unidos, ele observou que crianças com dentes manchados tinham poucas cáries, enquanto que crianças com dentes sem manchas apresentavam incidência de cáries tão altas como em outras regiões daquele país. Ele descobriu que as manchas eram provocadas pelo consumo de água com alto teor de flúor (uma condição que passou a ser conhecida como fluorose) e que este elemento também era o responsável pela redução do número de cáries.

O flúor previne o aparecimento de cáries ao fortalecer o esmalte do dente

O flúor previne o aparecimento de cáries ao fortalecer o esmalte do dente, uma vez que ele reduz a velocidade de desmineralização. O flúor reage com a matriz mineral da superfície do esmalte, formando fluorapatita, que é menos solúvel em ácido do que a hidroxiapatita. Assim, a perda de minerais em meio ácido diminui e pode ser rapidamente reposta pelo processo de mineralização, a partir do fosfato e do cálcio presente na saliva, que ocorre quando a acidez diminui nos intervalos entre a ingestão de açúcar.

Se o flúor estiver presente na saliva durante este processo, mais fluorapatita é formada, o que aumenta o fortalecimento do dente. Outro mecanismo, considerado mais importante que o primeiro, é baseado na capacidade do flúor em inibir a fermentação láctica. Assim, além de reduzir a produção do ácido que dissolve o esmalte do dente, o flúor também pode diminuir o crescimento e provocar a morte das bactérias causadoras da cárie, uma vez que a fermentação láctica é importante para produção de energia por esses microrganismos.

Então, para ter dentes sem cáries, evite o consumo frequente de doces, escove sempre os dentes após as refeições ou sempre que você comer algum doce e vá regularmente ao dentista. E mais importante, nunca use suplementos de flúor sem indicação deste profissional.

Matéria publicada em 19.11.2010

COMENTÁRIOS

  • julinhah das quebradah

    Frederick S. McKay no início do século passado. Trabalhando em uma cidade dos Estados Unidos, ele observou que crianças com dentes manchados tinham poucas cáries, enquanto que crianças com dentes sem manchas apresentavam incidência de cáries tão altas como em outras regiões daquele país

    Publicado em 19 de outubro de 2020 Responder

Envie um comentário

Joab Trajano Silva

Desde criança, o autor da coluna No laboratório do Sr. Q pensava em ser biólogo. Mas, enquanto cursava a faculdade, descobriu que precisava de conhecimentos químicos para entender como os seres vivos funcionam. Juntou as duas coisas e foi ser bioquímico.

CONTEÚDO RELACIONADO

Parque Nacional de Itatiaia

A primeira área de preservação ambiental do Brasil

Pequenos notáveis

Conheça os peixes criptobênticos!

Open chat