Coveiros da natureza

A vida de um organismo costuma ser dividida em quatro fases: nascimento, crescimento, reprodução e morte. Após a morte, o ser vivo será consumido aos poucos por diversas criaturas – como fungos, bactérias e animais – chamadas necrófagas, palavra de origem grega que significa “que come os mortos”. Parece nojento, mas a atividade dos necrófagos é fundamental para o equilíbrio da natureza, pois promove a reciclagem de nutrientes da cadeia alimentar.

Os besouros do gênero Coprophanaeus formam um grupo interessante de besouros-carniceiros. Ao encontrarem um animal morto, usam as pernas e a cabeça para arrancar pedaços de carne, que são usados para alimentar suas larvas.

Besouro azul

A origem da palavra “besouro” ainda gera discussões entre os especialistas. Na língua portuguesa do século 13, esses animais eram chamados de “abesouro”. Uns acreditam que o termo tenha surgido de “abejorro” (palavra em espanhol que significa “abelha grande”), talvez por causa do zunido que produzem enquanto voam. Outros acham que “abesouro” vem de “avis aurea” (palavra em latim que quer dizer “ave de ouro”), já que no sul da Europa são comuns espécies desses insetos com cores metálicas, inclusive com reflexos dourados (Foto: Conrad Gillett / Galerie du Monde des Insectes)

Não é apenas o hábito alimentar desses besouros que é curioso, mas seu nome também. Coprophanaeus é formado por duas palavras gregas, copros (“fezes”) e phanaeus (“aquele que traz a luz”). Mas o que esses bichos têm a ver com cocô e luz?

Existe um gênero de besouros chamado Copris, que ganhou este nome justamente por suas espécies se alimentarem de excrementos. Já outro gênero, cujas espécies geralmente possuem cores metálicas reluzentes, foi batizado de Phanaeus. O nome Coprophanaeus nada mais é que uma mistura de Copris e Phanaeus, para indicar sua semelhança com as espécies desses dois gêneros.

Cerca de 40 espécies de Coprophanaeus são conhecidas atualmente, habitando o sul da América do Norte, a América Central e, principalmente, a América do Sul. Metade delas vive no Brasil.

Diferentes espécies de besouros-carniceiros

Encontrados em ambientes com vegetação nativa de todo o Brasil, os besouros-carniceiros variam bastante na forma e cor de seu corpo. Com a carne de animais mortos, eles fazem bolinhas cobertas de terra, que são distribuídas em câmaras que constroem no subsolo. Em cada bolinha é depositado um ovo, e, assim que a larva nascer, terá alimento suficiente para garantir seu desenvolvimento (Fotos: W. D. Edmonds & J. Zidek / Insecta Mundi 2010)

Algumas, com cores negras, lembram espécies do gênero Copris. Este é o caso de Coprophanaeus cerberus (nome que faz referência ao cão monstruoso que vigiava a entrada do reino subterrâneo dos mortos, na mitologia grega), Coprophanaeus degallieri (batizado em homenagem ao pesquisador francês Nicolas Degallier) e Coprophanaeus parvulus (“muito pequeno” em latim, pois é uma das menores espécies do gênero).

Outras espécies, à semelhança de certos besouros do gênero Phanaeus, têm uma linda coloração brilhante que parece feita de metal ou pedras preciosas. Alguns exemplos são Coprophanaeus pessoai (homenagem ao pesquisador Samuel Pessôa), Coprophanaeus saphirinus (“de safira”, em latim) e Coprophanaeus thalassinus (“verde-marinho”, em grego).

Enquanto a maioria das espécies de Coprophanaeus mede de 1 a 3 centímetros, algumas podem atingir 5 centímetros de comprimento. Além do tamanho avantajado, elas possuem enormes chifres na cabeça que são usados durante lutas, os quais lhes renderam nomes como Coprophanaeus lancifer (maior espécie do gênero), Coprophanaeus ensifer e Coprophanaeus bellicosus, que, em latim, significam “portador de lança”, “portador de espada” e “preparado para a guerra”, respectivamente. Vai encarar?

Matéria publicada em 02.03.2012

COMENTÁRIOS

  • Ana Laura

    Adorei muito curioso

    Publicado em 2 de julho de 2021 Responder

  • Miguel Domingues de Araújo

    Gostei eu axei muito interessante

    Publicado em 8 de julho de 2021 Responder

Envie um comentário

Henrique Caldeira Costa

Curioso desde criança, Henrique tem um interesse especial em pesquisar a história por trás dos nomes científicos dos animais, que partilha com a gente na coluna O nome dos bichos

CONTEÚDO RELACIONADO

Parque Nacional de Itatiaia

A primeira área de preservação ambiental do Brasil

Pequenos notáveis

Conheça os peixes criptobênticos!

Open chat