Asa-branca nos versos do baião

Até mesmo a asa branca
Bateu asas do sertão.
Então eu disse adeus Rosinha
Guarda contigo meu coração.

Os versos acima são da música “Asa branca”, do cantor e compositor Luiz Gonzaga – conhecido como “o rei do baião”. Sua letra fala do sofrimento do povo do sertão nordestino, onde a falta de chuva durante boa parte do ano leva muita gente a se mudar para tentar a vida em outro lugar. Até mesmo a asa-branca fugiu da seca do sertão, diz a música. Mas o que é uma asa-branca?

A asa-branca pode ser encontrada do nordeste ao sul do Brasil e também na Bolívia, no Paraguai e na Argentina, principalmente em locais onde a vegetação não tem muitas árvores. Repare a faixa branca na asa, que dá o nome popular desta ave (Foto: Bertrando Campos)

Asa-branca é um dos nomes que a população dá para a maior espécie de pombo do Brasil, chamada assim porque suas asas possuem uma faixa branca bem característica. Os especialistas, porém, dão a esta espécie o nome científico Patagioenas picazuro.

Patagioenas é uma palavra de origem grega, que pode ser traduzida como “pombo que faz barulho”. O motivo para isso pode estar no som do ruflar das asas dos pombos quando eles levantam voo.

O nome picazuro, por sua vez, tem origem guarani, língua de alguns povos indígenas da América do Sul, falada até hoje pela população do Paraguai – país onde a asa-branca foi catalogada pela primeira vez por cientistas, no século 19. Lá os indígenas davam a esta espécie o nome picazú-ró, que significa “pombo amargo”. Segundo eles, a carne desta ave ficava amarga se ela se alimentasse de certos frutos.

O Brasil possui 22 espécies de pombos, juritis e rolinhas nativas. As mais conhecidas por quem vive nas cidades são o pombo-doméstico e o pombo-correio, trazidos da Europa para cá há quase 500 anos. Ambos são da mesma espécie, e seu nome científico é Columba livia, que, em latim, significa “pombo cinza-azulado”, em referência à cor de algumas populações que vivem em seu ambiente natural no continente europeu (Foto: Jörg Hempel / CC BY-SA 2.0)

Os versos da música de Luiz Gonzaga cantam que, quando a seca é intensa no sertão, as asas-brancas voam para outras regiões. Mas há locais onde essa espécie enfrenta ainda um perigo maior que a seca, o ser humano. Especialmente no nordeste, as asas-brancas estão se tornando menos comuns por causa da caça. Um costume que, se continuar, pode tirar da natureza a ave que dá nome a uma das músicas mais famosas do Brasil.

Matéria publicada em 01.03.2013

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

Henrique Caldeira Costa

Curioso desde criança, Henrique tem um interesse especial em pesquisar a história por trás dos nomes científicos dos animais, que partilha com a gente na coluna O nome dos bichos

CONTEÚDO RELACIONADO

Parque Nacional de Itatiaia

A primeira área de preservação ambiental do Brasil

Pequenos notáveis

Conheça os peixes criptobênticos!

Open chat