As andorinhas voltaram

Quase no final do mês de setembro, observamos o término do inverno. O frio começa a ir embora, os dias vão ficando mais longos e as noites, mais curtas. A vida se renova, com muitas plantas dando flores e frutos, diversos animais se reproduzindo, e a temporada de chuvas tendo início em várias regiões. Mas, no hemisfério norte, é tudo ao contrário: setembro marca o final do verão e o calor vai diminuindo dia após dia.

Para quem não gosta de frio, bom mesmo seria poder mudar de hemisfério toda vez que o verão termina. Já imaginou? É justamente isso que algumas aves fazem: uma longa viagem fugindo do frio!

Progne subis

A andorinha-azul tem esse nome por causa da cor do macho adulto – já a fêmea tem coloração branca e cinza. A palavra “andorinha” tem origem no latim. Nessa língua, essas aves eram conhecidas como “hirundo”, que, com o tempo, se tornou “harundo” e depois possivelmente “harundina”, até virar “andorinha” em português (Foto: Almir Jacomelli)

As andorinhas-azuis, por exemplo, migram todos os anos de uma região para outra. Elas se reproduzem nos Estados Unidos e no Canadá e, quando o verão termina por lá, voam para o hemisfério sul, em busca de abrigo e calor. O Brasil é um dos destinos dessas aves viajantes, que chegam aqui em setembro (às vezes um pouco antes ou um pouco depois) e ficam até os primeiros meses do ano seguinte. Quando nosso verão chega ao fim, é hora de levantar voo e retornar para o norte, onde a primavera recomeça.

procne e filomena

Segundo a mitologia grega, Procne era casada com o rei Tereu, com quem teve um filho. Porém, Tereu acabou se apaixonando pela irmã da esposa, Filomena, o que, é claro, acabou em confusão e numa briga danada. Os três foram, então, castigados pelos deuses do Olimpo e transformados em aves, sendo a nova forma de Procne uma andorinha (Imagem: Reprodução do quadro "Filomena e Procne", de Elizabeth Gardener Bouguereau)

Esses belos pássaros que todos os anos fogem do frio carregam no nome a lenda de uma fugitiva da Grécia Antiga – a jovem Procne que, enquanto escapava de seu malvado marido Tereu, foi transformada pelos deuses do Olimpo em uma andorinha. Em referência a ela surgiu o nome Progne, que designa o gênero de aves a que pertence a andorinha-azul.

O nome específico da espécie também tem origem lá no passado. No século 1 antes da nossa era, em Roma, o professor Nigidius Figulus escreveu sobre a presença de um tipo especial de aves na Etrúria, uma antiga região da Itália. Segundo ele, tais aves, chamadas subis, quebravam os ovos das águias. Por que elas faziam isso? Nigidius nunca contou. A mesma história foi repetida anos depois por outro romano, Plínio, “O Velho”.

As andorinhas-azuis, como sabemos, não quebram os ovos de águias, nem vivem na Itália, mas acabaram batizadas com o nome da misteriosa ave descrita por Nigidius e hoje em dia os cientistas de todo o mundo as chamam de Progne subis.

Condominio de andorinhas

As andorinhas gostam de se abrigar em encostas, ocos, cavernas e até casas abandonadas. Os indígenas brasileiros deram-lhes o nome “taperá”, que quer dizer “morador das ruínas” ou “aquele que sai das ruínas”. Hoje, é comum em muitas cidades dos Estados Unidos, onde as andorinhas-azuis se reproduzem, encontrar “condomínios” construídos especialmente para elas se abrigarem com bastante conforto (Foto: Wikimedia Commons / CC-BY-2.0)

Agora que você já sabe a curiosa história do nome das andorinhas-azuis, fique atento ao final do inverno e à chegada dessas viajantes charmosas. Quem sabe elas vão passar voando sobre sua casa e descansar próximo à sua cidade?

Matéria publicada em 07.09.2012

COMENTÁRIOS

  • Lívia dos santos Simões marques

    Achei muito interessante , achei muito legal como elas fazem para escapar do frio e etc

    Publicado em 20 de maio de 2020 Responder

  • Mayara Cristina Inácio Tavares

    Muito bom saber que as andorinhas voltaram

    Publicado em 5 de junho de 2020 Responder

  • Bianca

    Oi

    Publicado em 23 de setembro de 2020 Responder

  • Ricardo Souza Corrêa

    Moro em Rio Grande RS este ano foi estranho elas não vieram o que aconteceu?

    Publicado em 12 de janeiro de 2021 Responder

  • Vera

    Estou morando num sítio e, elas chegam mesmo nessa época e aqui faz morada temporária… e, são bem barulhentas qdo acordam pela manhã: tipo 5:00 hs.
    Mas daí um espetáculo à parte.

    Publicado em 17 de setembro de 2021 Responder

Envie um comentário

Henrique Caldeira Costa

Curioso desde criança, Henrique tem um interesse especial em pesquisar a história por trás dos nomes científicos dos animais, que partilha com a gente na coluna O nome dos bichos

CONTEÚDO RELACIONADO

Parque Nacional de Itatiaia

A primeira área de preservação ambiental do Brasil

Pequenos notáveis

Conheça os peixes criptobênticos!

Open chat