Adivinhas no escuro

“Numa toca no chão vivia um Hobbit”. Assim começa um dos meus livros favoritos, escrito pelo britânico John R. R. Tolkien para seus filhos, e publicado pela primeira vez em 1937: O Hobbit.

Os hobbits eram um povo pacato, adoravam levar uma vida tranquila e comer bem. Tinham mais ou menos a metade da altura de um homem, costumavam ser gordinhos na barriga e tinham pés peludos com sola grossa, de forma que não precisavam usar sapatos.

Bilbo e Gollum

Pouco antes de conhecer Gollum, Bilbo encontra um anel no chão. Anos depois, a pequena joia e o próprio Gollum seriam fundamentais para a história narrada em outro livro escrito por J. R. R. Tolkien: O Senhor dos Anéis (Ilustração de Alan Lee)

Na história contada por Tolkien, o hobbit Bilbo Bolseiro é convidado pelo mago Gandalf e uma comitiva de treze anões para ingressar em uma aventura e recuperar um vasto tesouro guardado pelo temido dragão Smaug. Se enfrentar um dragão já é um desafio e tanto, a viagem até seu covil não é menos perigosa!

Durante a expedição, no meio de uma batalha contra monstruosos orcs no interior das Montanhas Sombrias, Bilbo se perde dos seus companheiros e vai parar em um local escuro, onde existe um lago com uma pequena ilha de pedras. Lá, o hobbit encontra um ser estranho, “escuro como a escuridão, exceto por dois grandes olhos redondos e pálidos no rosto magro”. Seu nome era Gollum.

As características do personagem, que vivia nas profundezas de uma montanha, influenciaram o pesquisador Leonard Compagno na hora de escolher o nome de um novo gênero de tubarões, batizado em 1973. O nome escolhido? Gollum.

Tubarão-gollum

Uma rara imagem de um tubarão-gollum em vida, fotografado a 550 metros de profundidade (Foto: Hawaii Undersea Research Laboratory / Wikipedia)

Os cientistas já descreveram duas espécies de Gollum. Assim como o Gollum do livro, esses tubarões possuem grandes olhos e vivem escondidos na escuridão, mas não no interior de montanhas – seu lar é o fundo dos oceanos, em profundidades de até 700 metros; por isso, são raramente encontrados e difíceis de estudar. Além disso, os tubarões-gollum atingem no máximo pouco mais de um metro de comprimento.

A espécie Gollum attenuatus vive em águas ao redor da Nova Zelândia. Seu nome específico em latim quer dizer “atenuado”, devido ao formato do seu corpo, bastante delgado. A outra espécie, Gollum suluensis, ganhou seu nome apenas em 2011, e seu significado é “procedente de Sulu”. O Mar de Sulu é uma região ao sul do arquipélago das Filipinas que abriga grande diversidade de seres vivos, incluindo esta espécie de tubarão, só encontrada lá, em águas bem profundas.

Tubarões-gollum

Dois tubarões-gollum coletados por cientistas para serem estudados. Praticamente nada é conhecido sobre os hábitos desses animais (Fotos de Peter Last e Joe P. Gaudiano / Zootaxa / Magnolia Press)

Em O Hobbit, Bilbo consegue escapar das garras de Gollum após um jogo de adivinhas, onde um devia descobrir a resposta da charada proposta pelo outro. No mundo real, os cientistas precisam decifrar muitas charadas, não para fugir dos tubarões Gollum, mas para compreender melhor como eles vivem nas águas escuras e frias do fundo do oceano.

Matéria publicada em 07.12.2012

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

Henrique Caldeira Costa

Curioso desde criança, Henrique tem um interesse especial em pesquisar a história por trás dos nomes científicos dos animais, que partilha com a gente na coluna O nome dos bichos

CONTEÚDO RELACIONADO

Parque Nacional de Itatiaia

A primeira área de preservação ambiental do Brasil

Pequenos notáveis

Conheça os peixes criptobênticos!

Open chat