Ataques de tubarão em Recife

Você pode até não acompanhar o noticiário, mas com certeza ouviu falar que, recentemente, dois banhistas foram atacados por tubarões em praias de Recife. A notícia, infelizmente, não é novidade: em 12 anos, cerca de 50 ataques desse tipo ocorreram na capital de Pernambuco. A maioria foi feita pelo tubarão cabeça-chata, mas também há registros de ataques do tubarão-tigre. O que nos leva a perguntar: por que isso está acontecendo em Recife?

O fato é que as espécies de tubarão que vivem perto da praia e que antes tinham comida à disposição agora não têm mais tanto alimento assim. Segundo os cientistas, isso aconteceu provavelmente por conta da construção do Porto de Suape. “Durante as obras, foi preciso destruir mangues e rios das redondezas”, explica Otto Bismarck Gadig, professor da Universidade Estadual Paulista e especialista em tubarões. “Isso afetou o ecossistema de tal jeito que esses animais ficaram sem muita comida disponível e, também, sem lugar para ter seus filhotes.”

Tubarão cabeça-chata
Nome científico: Carcharhinus leucas.
Características: Tem o corpo cinza, a barriga branca e possui um focinho pequeno e largo. Mede até 3,5 metros. Sua primeira nadadeira dorsal é muito maior e mais pontuda do que a segunda.
Hábitat: É encontrado perto da costa, mas vive tanto no mar quanto em águas doces. Esses animais já foram vistos até no Rio Amazonas.
Alimentação: Come tartarugas marinhas, golfinhos e peixes, inclusive outros tubarões.

Como nós, seres humanos, não fazemos parte da alimentação dos tubarões, os cientistas levantam duas hipóteses — ainda não comprovadas — para explicar os ataques registrados na capital de Pernambuco. “Imagina-se que, por terem dificuldade em encontrar comida, os tubarões possam estar atacando pessoas como uma nova opção de alimento”, conta Otto Bismarck Gadig. “Outra explicação dada sugere que os tubarões atacam o homem porque o confundem com suas presas: peixes grandes, tartarugas marinhas, raias, focas etc. Isso, no entanto, também não está provado.”

Em Recife, os ataques costumam ocorrer em um trecho de poucos quilômetros próximo ao porto de Suape. No entanto, você sabia que em muitos outros locais tubarões e seres humanos convivem harmoniosamente? Pois é! Quando o meio ambiente não sofre agressões e está equilibrado, os ataques não acontecem.

Tubarão tigre
Nome científico: Galeocerdo cuvieri.
Características: Pode atingir nove metros. Tem o corpo cinza, mas, quando filhote, seu corpo é coberto por manchas negras, por isso, é chamado popularmente de tubarão-tigre. É considerada uma das espécies mais agressivas.
Hábitat: Vive em oceanos nas regiões temperadas e tropicais, tanto perto da costa quanto no mar aberto. Essa espécie é encontrada próximo de recifes de coral, baías e desembocaduras de rios.
Alimentação: Come de tudo! Alimenta-se de peixes, tartarugas, caranguejos, moluscos, mamíferos, répteis. Para você ter uma idéia, já foram encontradas garrafas de plástico e latas de alumínio na barriga de um tubarão desse tipo!

“Em Recife, ocorre justamente o contrário: a natureza foi alterada e a vida marinha ficou escassa, sem muitos alimentos para os poucos grandes tubarões que nadam ali”, explica Otto Bismarck Gadig. Na capital de Pernambuco, também há muita gente, o que aumenta a chance de uma delas ser atacada por um peixe desse tipo faminto.

Entender as causas dos ataques de tubarão em Recife serve para mostrar que, nessa história, eles não são os grandes vilões. O aumento do número de casos não quer dizer que aumentou o número de indivíduos, portanto, matar os peixes não solucionaria o problema. É preciso mudar o modo como o homem vem lidando com a natureza para que banhistas, surfistas e tubarões possam aproveitar o mar tranqüilamente!

 

Como evitar ataques?
No Brasil, já são quase 100 espécies diferentes de tubarão identificadas, muitas delas raras. A maioria vive bem longe das praias e jamais encontrará um ser humano. Portanto, ninguém precisa ter medo de mergulhar em águas brasileiras. Ainda mais porque apenas quatro espécies são potencialmente perigosas: o tigre, o cabeça-chata, o galha-preta e o tubarão-martelo de grande porte. De qualquer forma, conheça algumas dicas para evitar ataques!

– Evite mergulhar sozinho. Vá sempre em grupo porque, além de ser mais legal brincar no mar com muitos amigos, os tubarões preferem atacar banhistas solitários.
– Não fique muito distante da praia: procure ir até aonde a profundidade do seu pé alcança. Se você estiver longe da praia e for atacado, vai ficar mais difícil socorrê-lo.
– Não mergulhe se estiver com algum sangramento.
– Evite nadar ao amanhecer e ao entardecer. São essas as horas em que os tubarões estão mais atentos.
– Evite mergulhar no mar se as águas estiverem turvas e as ondas grandes.
– Se estiver em águas profundas, não mexa muito os braços e as pernas.
– Caso você veja um tubarão, não se desespere, pois ele já percebeu a sua presença há muito tempo. Nade até a praia ou a um barco próximo.

Matéria publicada em 08.06.2004

COMENTÁRIOS

  • Anna Elise

    Eu sinceramente nunca vi um tubarão , e nem quero ver!

    Publicado em 7 de abril de 2019 Responder

Envie um comentário

Pedro-Gomes-Ribeiro

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat