Venenos que podem curar

As substâncias tóxicas produzidas por alguns animais são usadas para caçar presas, proteger contra predadores e para combater doenças também – as deles e as nossas!

Diversas substâncias encontradas na natureza podem ser consideradas tóxicas para o ser humano, ou seja, podem causar algum tipo de mal ao nosso organismo. Toxinas produzidas por plantas e animais geralmente têm a função de defender esses seres contra predadores e outros inimigos naturais.

Em alguns casos, essa defesa ocorre de forma passiva, quer dizer: a planta ou o animal precisam ser atacados para que a toxina entre em ação. E isso pode ser simplesmente por ter um gosto ruim, por causarem dor e outros prejuízos ao predador. Os anfíbios são um bom exemplo desse uso das toxinas: a pele desses animais produz diversas substâncias que os protegem não apenas de predadores, mas também de bactérias e outros microrganismos causadores de doenças.

Outros animais usam essas toxinas de defesa de forma mais ativa, quer dizer: por meio de seus pelos, ferrões ou dentes,podem injetar seu veneno em possíveis predadores ou em suas presas. Quem já foi picado por uma abelha ou marimbondo sabe como esse tipo de defesa pode ser eficiente, não é verdade? No caso específico das serpentes peçonhentas (lembrando que nem todas as espécies possuem veneno), suas toxinas têm a função principal de matar ou imobilizar suas presas, além de iniciar o processo de digestão antes mesmo de engoli-las.

Medicamentos importantes já foram desenvolvidos a partir dos venenos de serpentes brasileiras, como o da jararaca (Bothrops jararaca),que deu origem a um remédio para quem sofre de pressão alta.
Foto: Vinícius São Pedro
Uma substância do veneno da aranha-armadeira (Phoneutrianigriventer) está sendo usada na elaboração de um potente medicamento contra dor.
Foto: Fernando Dagosta; Flickr

Analisando esses venenos em laboratório, é possível perceber que eles são formados por uma mistura de substâncias, cada uma com funções específicas no organismo da vítima. Assim, algumas substâncias são responsáveis por causar dor, outras podem impedir o funcionamento do sistema nervoso (responsável por controlar todas as funções do nosso corpo), enquanto outras inibem a coagulação sanguínea (processo que cria uma espécie de tampão nas nossas feridas e interrompe os sangramentos).

O que por um lado pode parecer assustador, por outro é uma excelente oportunidade para a ciência. É que cada uma dessas substâncias tem um uso em potencial na medicina.  No Brasil, por exemplo, várias pesquisas têm investigado o uso de venenos de aranhas, escorpiões, cobras e outros animais na produção de antibióticos, analgésicos, na cicatrização de feridas e no combate a doenças como pressão alta e câncer.

Esse é mais um ótimo motivo que temos para preservar nossos animais, porque mesmo aqueles considerados perigosos podem ser muito úteis para o nosso bem-estar.


Vinícius São Pedro,
Centro de Ciências da Natureza,

Universidade Federal de São Carlos

Sou biólogo e, desde pequeno, apaixonado pela natureza. Um dos meus passatempos favoritos é observar animais, plantas e paisagens naturais.

Matéria publicada em 25.04.2019

COMENTÁRIOS

  • Neuza Rejane Wille Lima

    Boa matéria,

    Você poderia incluir que a informação da importância da preservação das cadeias alimentares nas quais esses animais então inseridos é mais importante que tudo e todos, passando pela fantástica capacidade de polinização de diversas plantas realizada pelas abelhas com ou sem ferrão.

    Publicado em 25 de junho de 2021 Responder

Envie um comentário

CONTEÚDO RELACIONADO

O misterioso peixe do São Francisco

Nas águas desse rio nada um peixe que é a cara do tamanduá!

O dia em que a cidade ficou verde

Conservar áreas verdes nas cidades é tudo de bom!

Open chat