Um no Brasil e outro na Inglaterra

Conheça a história de amizade entre dois grandes cientistas do passado.

O ano era 1861 e o local, a cidade de Desterro, atualmente chamada Florianópolis – a capital de Santa Catarina. Um alemão chamado Johann Friedrich Theodor Müller, que era apaixonado pela natureza e vivia no Brasil desde 1852, recebe um presente vindo da Alemanha que mudaria para sempre sua maneira de enxergar o mundo natural. Aliás, um presente que definiria o modo como todos entendemos a natureza nos dias de hoje. Trata-se do livro “A origem da espécies”, de Charles Darwin.

Neste livro foi apresentada a então revolucionária teoria de que as espécies estão em constante evolução por meio da seleção natural. Ou seja, características presentes em certos indivíduos dão a eles maiores vantagens de sobrevivência e reprodução, se tornando cada vez mais comuns nos indivíduos das próximas gerações. Muitos cientistas da época se recusavam a acreditar que as espécies pudessem estar em constante transformação e por isso não concordavam com a teoria de Darwin.

Fritz Müller, o amigo de Darwin no Brasil.
Foto Wikimedia Commons

 

 


vinicius

Vinícius São Pedro,
Centro de Ciências da Natureza,
Universidade Federal de São Carlos

Sou biólogo e, desde pequeno, apaixonado pela natureza. Um dos meus passatempos favoritos é observar animais, plantas e paisagens naturais.

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje das Crianças

CONTEÚDO RELACIONADO

Oceanógrafo (a)!

Você sabia que o ponto mais profundo do oceano está a cerca de 11 mil metros abaixo do nível do mar? E que essa profundidade consegue ser maior que a montanha mais alta da Terra, o Everest?! Sabia também que mais de dois terços do nosso planeta é coberto pelas águas do oceano? Descobertas incríveis como essas são possíveis graças à oceanografia!

Transporte de água

Será possível que uma vela tenha superpoderes ou alguma magia em torno dela? Ou será que há uma explicação científica para o fenômeno que você vai testar agora? Mão na massa!