Totalmente enigmático

Por décadas, os cientistas têm tentado entender que bicho foi o monstro-de-Tully!

O monstro-de-Tully é uma das criaturas pré-históricas mais enigmáticas que já existiu. Os cientistas continuam pesquisando para saber de qual grupo animal essa espécie faz parte.
Ilustração Nato Gomes

Ficha Técnica

Nome: Monstro-de-Tully (Tullimonstrum gregarium)
Origem: América do Norte
Tamanho: 35 centímetros, em média
Peso: desconhecido
Época em que viveu: 300 milhões de anos atrás (Período Carbonífero)

O trabalho dos paleontólogos envolve, entre muitas coisas, identificar os fósseis e contar ao mundo que criaturas eram aquelas cujos restos do corpo ou de suas atividades (como cocôs e pegadas) acabaram petrificados. É preciso analisar os detalhes com atenção para definir corretamente a identidade de um fóssil. Mas, às vezes, são descobertos fósseis tão estranhos que sua identidade permanece misteriosa por muito, muito tempo. É o caso do monstro-de-Tully.

O monstro-de-Tully foi batizado em homenagem a Francis Tully, um instalador de tubulações que descobriu o primeiro fóssil desse bicho esquisito, e o levou em 1958 para ser estudado no Museu Field, na cidade de Chicago, Estados Unidos. Em 1966, o paleontólogo Eugene Richardson Jr. publicou um artigo científico descrevendo a espécie e dando-lhe seu nome científico, Tullimonstrum gregarium, que em latim quer dizer “monstro comum de Tully”, porque muitos fósseis dessa espécie foram encontrados no mesmo lugar.

Preservado na lama

Como o corpo do monstro-de-Tully foi preservado por 300 milhões de anos? Graças a condições muito especiais do ambiente em que viveu, dizem os cientistas. Quando um Tullimonstrum morria, seu corpo afundava e acabava enterrado na lama que cobria o fundo do mar daquela região. Reações químicas entre a água e a lama acabaram criando uma “casca” do mineral siderita em volta do corpo do animal antes da sua decomposição. Milhões de anos depois, o que vemos hoje é um “carimbo” detalhado do corpo do Tullimonstrum na rocha que um dia foi lama.

 

Que bicho foi esse?

Os fósseis do Tullimonstrum deixam claro que se tratava de um animal bastante esquisito. Seu corpo não tinha membros, mas sua cauda parecia um remo. Na cabeça havia duas hastes compridas com um olho em cada ponta, parecidos com os olhos de um caramujo. E, para terminar, uma tromba comprida com uma boca em forma de pinça cheia de dentes. Parece até uma criatura de ficção científica, mas a verdade é que o Tullimonstrum viveu no oceano na América do Norte antes da evolução dos dinossauros.

Um dos fósseis mais bem preservados do monstro-de-Tully. Observe bem o corpo, a cauda em forma de remo (à direita), as finas hastes na cabeça com um olho na ponta (à esquerda), e a tromba (dobrada para a direta).
Foto Paul Mayer/The Field Museum

Quando Eugene Richardson estudou o monstro-de-Tully, concluiu que este animal era um invertebrado, mas não conseguiu definir de qual grupo. Seria um molusco, como as lesmas e lulas? Um anelídeo como as minhocas? Ou seria outra coisa?

 

O mistério continua

Em 2016, após estudar mais de 1.200 fósseis diferentes de Tullimonstrum, a paleontóloga Victoria McCoy e sua equipe encontraram indícios de que o monstro-de-Tully tinha uma notocorda, uma barra de cartilagem que percorre o interior do corpo, dando-lhe sustentação – nos vertebrados, como nós, a notocorda desaparece e dá lugar às vertebras. Os pesquisadores concluíram que o Tullimonstrum era mais aparentado às lampreias, um grupo de “peixes” de origem muito antiga e sem mandíbulas, que hoje vivem em algumas partes do mundo, especialmente no hemisfério Norte.

Mas, em 2017, o grupo da cientista Lauren Sallan publicou um estudo afirmando que a equipe de Victoria McCoy interpretou errado alguns detalhes dos fósseis, e que o Tullimonstrum não foi um peixe primitivo. Que tipo de bicho era esse então? Ao que parece, os cientistas seguirão fazendo pesquisas para tentar responder essa pergunta.

 

Henrique Caldeira Costa
Departamento de Zoologia

Universidade Federal de Juiz de Fora

Matéria publicada em 09.03.2020

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

CONTEÚDO RELACIONADO

Chá de sumiço

Há tempo para salvar as demais espécies, que têm tanto direito ao planeta quanto nós? Eis a questão!

Como o urso polar se protege do frio?

Com um experimento simples, podemos descobrir como alguns animais – como o urso polar! –, que vivem em temperaturas congelantes, se protegem do frio. Brrrr!!!