Salva-vidas!

O nome já dá a pista, mas ser um salva-vidas vai além do socorro a pessoas na praia, em rios ou piscinas. Essa é uma profissão para os apaixonados por água e…pela preservação da natureza!Os salva-vidas precisam conhecer muito bem fenômenos como formação e força das correntezas, direção e força dos ventos, tamanho de ondas, calor do sol e muito mais. Quem nos conta esse dia a dia é Jailson Moura, que foi salva-vidas por mais de dez anos!

A paixão pelo mar e a natureza era tanta que ele decidiu também estudar Biologia. Virou cientista em biologia marinha lá no Norte da Alemanha, no Leibniz Centre for Tropical Marine Research (ZMT), que em português quer dizer algo como “Centro de Pesquisa Marinha Tropical”. Mas Jailson traz boas lembranças e ensinamentos dos tempos de salvamento no mar.

Ilustração Mariana Massarani

 

Ciência Hoje das Crianças: Como é a vida de um salva-vidas?  

Jailson Moura: A profissão de salva-vidas requer bom preparo físico e excelente conhecimento de técnicas de resgates e primeiros socorros. Além disso, exige boa experiência sobre o ambiente aquático, por exemplo, como as correntezas se formam e se comportam em certos locais. O salva-vidas também precisa gostar de se comunicar, pois fazendo isso ele orienta as pessoas sobre perigos que não são facilmente visíveis. Desta forma, evita casos de afogamentos. O salva-vidas, ou guarda-vidas, é um verdadeiro herói da vida real, mas precisa treinar sempre e manter uma vida saudável.

 

Elisa Martins,
Jornalista, especial para a CHC.

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje das Crianças

CONTEÚDO RELACIONADO

Histórias de uma coisa que todo mundo faz

Você pode estar em casa, na maior tranquilidade, quando bate a vontade. Pode também estar na escola e ficar meio com vergonha de saberem que foi você quem fez. Pode ainda estar na rua e ter de correr para achar um lugar onde possa fazer...

Nariz para fazer som!

Esse conhecimento, que é passado de uma geração para outra, também pode ser compartilhado com pessoas de fora daquele grupo, seja desinteressadamente ou, por exemplo, com o propósito de conservar o ambiente em que vivemos.