Púrpura real

A tintura mais cara da antiguidade era extraída de caramujos

Em tempos antigos, tingir tecidos não era uma tarefa fácil. As tinturas eram extraídas principalmente de plantas e animais. Alguns corantes, por serem raros, eram tão caros que apenas pessoas ricas tinham condições de usar roupas coloridas com eles. É o caso da púrpura, uma cor que hoje fica entre o roxo e o violeta. Mais de 3.500 anos atrás, a tintura púrpura começou a ser produzida na cidade de Tiro, em uma região que hoje fica no Líbano, país do Oriente Médio. De tão famosa, ficou conhecida como “púrpura de Tiro”. Durante muito tempo, esse corante coloriu as vestes de nobres, imperadores e faraós.

A púrpura de Tiro era obtida do muco produzido por caramujos marinhos chamados muricídeos. A concha dos caramujos era quebrada e, de dentro dela era obtida uma pequena glândula, parecida com uma veia, onde ficava guardado o muco.

Na antiguidade, a cor púrpura era obtida a partir do muco de caramujos marinhos.
Foto Holger Krisp/Wikimedia Commons/CC BY 3.0

Em contato com o ar, o muco dos caramujos muricídeos sofre uma reação química chamada oxidação, que lhe dá a cor usada para tingir tecidos. Mas, na natureza, esses animais usam o muco como arma e como defesa. O muco dos muricídeos possui substâncias atordoantes, que os ajudam a se protegerem contra predadores e a capturarem seu alimento, como cracas, lapas e outros moluscos. O muco também evita que microrganismos como bactérias danifiquem os ovos dos caramujos.

Para se produzir um grama da púrpura de Tiro eram necessários aproximadamente 9 mil caramujos! Por ser tão difícil de ser extraída, ela foi considerada a tintura mais cara da antiguidade. Comprar roupas dessa cor era sinônimo de ser muito rico.

Esse pedaço de tecido foi tingido com a púrpura de Tiro.
Foto Wikipedia/CC BY-SA 3.0

A produção da púrpura de Tiro praticamente acabou após a queda do Império Bizantino, em 1453. Então, outros corantes naturais mais baratos passaram a ser usados no seu lugar, como a alizarina, feita a partir das raízes de uma planta, e a orceína, feita a partir de líquens. Hoje, corantes sintéticos, criados em laboratórios, permitem tingir tecidos com milhares de cores e vestir uma roupa púrpura não é mais um privilégio de ricos.


henrique-caldeira

Henrique Caldeira Costa,
Departamento de Zoologia
Universidade Federal de Juiz de Fora

Sou biólogo e muito curioso. Desde criança tenho interesse em pesquisar os seres vivos, especialmente o mundo animal. Vamos fazer descobertas incríveis aqui!

Matéria publicada em 02.05.2022

COMENTÁRIOS

  • Laurinha

    Wow! Achei muito legal. Só não gostei que eles não deixaram os caramujos em paz na casinha deles.

    Publicado em 12 de maio de 2022 Responder

  • Daniel

    Oi, Eu queria saber se tinha mais corantes caros.

    Publicado em 25 de maio de 2022 Responder

  • Ana

    Eu achei muito legal e interessante, espero aprender mais assuntos com o chc.

    Publicado em 30 de maio de 2022 Responder

  • Raylaaa ❤️✨

    Muito legal

    Achei muito interessante esse assunto!
    Quando olhei só o Título já me interessei.
    Amei, continuem assim… ❤️❤️

    Publicado em 7 de junho de 2022 Responder

  • Larissa mellyna

    Larissaaa💖

    Muito legal

    Achei incrível esse texto!
    Quando já vir o nome caramujo já me interessei.
    Não só pelo “caramujo” mas também pelas palavras destacadas de azul tive a maior oportunidade de saber.

    Publicado em 7 de junho de 2022 Responder

  • João luquinhas

    Eu gostei muito desse texto, porque fala de uma cor que eu gosto muito 👊❤️

    Publicado em 10 de junho de 2022 Responder

Responder Cancelar resposta

admin

CONTEÚDO RELACIONADO

Quem vê cara não vê coração

Já pensou em como nosso cérebro entende os ditados populares?

Nem tudo que cai na rede é para comer!

É possível escolher a melhor hora de consumir pescados e dar uma forcinha para o meio ambiente

Open chat