O uirapuru

Lenda indígena

O uirapuru é um pássaro que tem um canto muito bonito. Segundo os índios brasileiros, existe mistério, aventura e romance por traz da cantiga dessa ave. Uma linda história de amor entre um índio, guerreiro de sua aldeia, e uma linda jovem índia.

Ilustração Cris Eich

Os indígenas da Amazônia contam que um jovem e valente guerreiro chamado Quaraçá se apaixonou por uma bela moça de sua aldeia. Anahí era o nome da moça, que, para tristeza de Quaraçá,estava prometida para se casar com o cacique.

De coração partido pelo amor que nunca poderia declarar, Quaraçá pediu a Tupã – aquele que, para os indígenas, é o deus maior – que o transformasse em um pássaro.Tupã atendeu, e fez do rapaz um lindo passarinho com penas avermelhadas. Quaraçá passou a ser um uirapuru, que cantava lindamente.

Na forma de passarinho, o rapaz se sentia seguro para se aproximar de sua amada. E assim fazia todas as noites. Cantava para Anahí bem perto da oca onde ela dormia. Acontece que o cacique achou estranhoo fato de a ave cantar apenas para sua futura mulher e começou perseguir o uirapuru.

Assustado, Quaraçá, ou melhor, o uirapuru, voou para longe, para os confins da floresta. O cacique, muito bravo e enciumado, foi atrás para caçá-lo. Foi entrando na mata, foi entrando, foi entrando… até que se perdeu e nunca mais voltou.

Quem voltou foi o uirapuru, que continuou a cantar para Anahí na esperança de ela descobrir que, por trás daquele insistente canto, há uma declaração de amor verdadeiro.

 

*A lenda do uirapuru é contada pelos indígenas que vivem na região amazônica.
Esta é uma versão livremente adaptada pela CHC.

 

Quer ouvir o canto do uirapuru? Clique aqui! YouTube.com

Matéria publicada em 25.04.2019

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

admin

CONTEÚDO RELACIONADO

Histórias de uma coisa que todo mundo faz

Você pode estar em casa, na maior tranquilidade, quando bate a vontade. Pode também estar na escola e ficar meio com vergonha de saberem que foi você quem fez. Pode ainda estar na rua e ter de correr para achar um lugar onde possa fazer...

Nariz para fazer som!

Esse conhecimento, que é passado de uma geração para outra, também pode ser compartilhado com pessoas de fora daquele grupo, seja desinteressadamente ou, por exemplo, com o propósito de conservar o ambiente em que vivemos.