O aniversário de Pedro Malasartes

*Conto popular

Ilustração Marco Carillo

Pedro Malasartes é uma figura que não perde a mania de pregar peças nas pessoas. Da última vez, a vítima foi seu primo rico. A história aconteceu, mais ou menos, assim…

Malasartes estava fazendo aniversário e não tinha nada em casa para oferecer aos convidados. Resolveu ir à casa de seu primo sondar se ele poderia contribuir com algo para a festa, mesmo achando que receberia um sonoro ‘não’ como resposta. Afinal, embora rico, o tal primo era muito pão-duro.

–Ô, de casa! – gritou Malasartes, batendo palmas na frente do portão.

O primo veio de lá já bem desconfiado, porque o que um tinha de pão-duro o outro tinha de enrolão! De qualquer forma, foi bastante educado.Sabia que era dia do aniversário de Malasartes. Mandou que ele entrasse e começou a lhe oferecer o que tinha na despensa: toucinho, broa de milhos, curau, pipoca… Mas Malasartes disse não a tudo, queria apenas um cafezinho.

Conversa ia, conversa vinha, o primo de novo oferecia a Malasartes alguma coisa gostosa, típica da fazenda:

–‘Ó’, primo, eu não tenho muito, mas tenho aqui essa peça de carne que dá para fazer um bom churrasco.Tenho também refrigerantes. Malasartes olhava para a comida, fazia uma cara bem esnobe e dizia que se contentava com o cafezinho que estava tomando.

O primo já estava até achando que não havia nada demais com a visita inesperada, talvez Malasartes não fosse mais enrolão como antes. E os dois se divertiram, lembrando fatos da infância, de como brincavam e como adoravam as festas de São João na roça.

Malasartes recordou uma festa que ele tinha feito na casa do primo, aquela mesma casa que ele ainda morava:

–Lembra, primo? A gente puxou aquela mesa para o canto da parede, assim… E, entusiasmados, empurraram a mesa da sala para o canto, deixando espaço para um bom baile. O primo aproveitou e pegou sanfona empoeirada que estava pendurada na parede.Começou a tocar. Os dois dançavam, cantavam e riam alto quando foram interrompidos por um burburinho na frente da casa. O povo gritava lá fora no portão:

– Malasartes! Ô,Malasartes!

O primo foi até a porta, arregalou os olhos e disse:

– Que tanta gente é essa aí, Malasartes?

E ele respondeu:

– São meus convidados, primo! Como é o meu aniversário e não tinha nada na despensa, chamei o pessoal para comemorar aqui.

O primo de Malasartes ficou apavorado, porque era muito pão duro e não queria gastar com ninguém. Revoltado, falou:

– Mas eu não tenho nada para oferecer aos seus amigos.

E Malasartes retrucou:

– Tem sim! Sabe aquele toucinho, broa de milho, curau, pipoca, peça de carne e refrigerante? Dá bem para nós, ‘ué’!

Imaginou a cara do primo? Pois foi assim que Malasartes teve a sua festança.

 

*Pedro Malasartes é um personagem da cultura popular cujas histórias são contatadas por muitos autores há séculos. Em todas, ele é um moleque muito levado e esperto, que sempre prega peças nas pessoas. Este conto foi livremente adaptado pela CHC. Sabe por que escolhemos ele? Porque ele é sobre uma festa de aniversário, e a CHC chega a sua edição número 300, completando 33 anos de existência! A nossa festa coincide ainda com os 150 anos da tabela periódica, tema desta revista especial!

 

Fonte: Recanto das letras

Matéria publicada em 01.07.2019

COMENTÁRIOS

  • Samara Ferreira

    a historia e bem legal, pois ja conheço o personagem e um pouco das suas artimanhas

    Publicado em 27 de Maio de 2020 Responder

  • Lara Padilha da Silveira

    amei e bem divertido e legal amei a parte [prefiro um cafezinho].

    Publicado em 29 de junho de 2020 Responder

  • Lorena Cristina Ganzarolli Cirino

    Eu amei essa história quero mais!!

    Publicado em 2 de julho de 2020 Responder

  • vitória duarte torres

    que história legal , quero mais !!!!!!

    Publicado em 2 de julho de 2020 Responder

  • ana

    sexo eu odeio estorias assem

    Publicado em 3 de julho de 2020 Responder

    • Arthur Henrique Consolin Silva

      onde vc viu sexo heim? Essa aí ta doida!!!!! Kkkkkkkkkkkkk

      Publicado em 16 de setembro de 2020 Responder

Envie um comentário

admin

CONTEÚDO RELACIONADO

Cateretê

Dança tradicional (domínio público)

Bala que se transforma

A ciência costuma dar nomes engraçados para as coisas. Na mistura de água com açúcar, o açúcar é chamado soluto e a água, solvente.