Malacólogo!

Ilustração Cruz

 

Quando caminhamos na praia ou ao lado de mangues e rios, nem desconfiamos que as conchinhas no caminho guardam histórias. As conchas protegem os moluscos, o grupo de animais que inclui caracóis, lulas, mariscos, lesmas… Conchas e moluscos são, na verdade, inseparáveis. Quando vemos uma concha sozinha, é sinal de que o molusco que habitava ali morreu. Raros são os moluscos que não possuem conchas. Mas como sabemos tudo isso?

Sabemos porque existem profissionais que se dedicam justamente a estudar esses animais de corpo mole – os malacólogos! Aprendemos muito sobre eles com a professora Sonia Barbosa dos Santos, que dá aulas de Zoologia Geral e de Malacologia no Instituto de Biologia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). Ela diz que as conchas mostram a imensa variedade de formas e adaptações dos seres vivos e que os moluscos podem estar nos lugares mais improváveis!

 

Ciência Hoje das Crianças: De onde vem o nome malacologia? O que significa? 

Sonia Barbosa dos Santos:  O nome vem do grego “malaco”, que quer dizer mole. “Logos” tem a ver com estudo, conhecimento. Assim, malacologia é o estudo dos moluscos, que são animais de corpo mole. O nome em latim do grupo é “Mollusca”, que vem do latim “mollis”. Um malacólogo estuda os moluscos, grupo que inclui as lesmas, caracóis, polvos, lulas, mariscos… É interessante que “malaco” também é uma gíria empregada para designar pessoas espertas.

 

Elisa Martins
Jornalista, especial para a CHC

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje das Crianças

admin

CONTEÚDO RELACIONADO

Tem pássaro e avião na rota de colisão!

Quando um crime acontece, é preciso fazer uma investigação para desvendá-lo. Existe uma especialidade chamada antropologia forense. As pistas seguidas por esses especialistas vêm de... ossos! Sim, os esqueletos também falam e ajudam a desvendar mistérios.

O som da natureza

Quando um crime acontece, é preciso fazer uma investigação para desvendá-lo. Existe uma especialidade chamada antropologia forense. As pistas seguidas por esses especialistas vêm de... ossos! Sim, os esqueletos também falam e ajudam a desvendar mistérios.