Guarda-parque!

A pessoa gosta tanto da natureza que escolheu trabalhar na conservação dela. E o trabalho não é fácil! O guarda-parque (ou a guarda-parque, claro!) cuida da proteção de grandes áreas emparques nacionais, e cuida da segurança dos visitantes também. É comum para esse profissional  ver animais selvagens no dia a dia. Daniel Muñoz, chefe dos guarda-parques do Parque Nacional Los Glaciares, na Argentina, conta que já viu onças varias vezes!

O guarda-parque precisa entender sobre o meio ambiente, combater incêndios florestais, entender de primeiros socorros e resolver conflitos! E ainda tem de lidar bem com o fato de ficar sozinho, caso seja mandado a lugares afastados. A parte boa, conta Daniel, é a possibilidade de conhecer ambientes naturais incríveis. E a rotina, claro, é bem diferente da de uma cidade. Nosso entrevistado trabalha há 21 anos como guarda-parque e diz que é um estilo de vida!

Ilustração Bruna Assis Brasil

 

Ciência Hoje das Crianças: Você trabalha no Parque Nacional Los Glaciares, na Argentina. O que esse parque tem de especial?

Daniel Muñoz: A paisagem, sem dúvida! O glaciar Perito Moreno e o monte Fitz Roy são as joias mais preciosas do parque. Mas é difícil não citar outros atrativos, como seus lagos, bosques, fauna, o gigantesco campo de gelo, as trilhas etc.

 

CHC: Qual é seu animal preferido do parque?

Daniel: O “huemul”. É o emblema do parque, daí a escolha. (O “huemul” é uma espécie de veado exclusivamente nativa do deserto e das montanhas da Patagônia, uma região bem ao Sul de Argentina e Chile).

 

Elisa Martins,
Jornalista, especial para a CHC.

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje das Crianças

admin

CONTEÚDO RELACIONADO

Histórias de uma coisa que todo mundo faz

Você pode estar em casa, na maior tranquilidade, quando bate a vontade. Pode também estar na escola e ficar meio com vergonha de saberem que foi você quem fez. Pode ainda estar na rua e ter de correr para achar um lugar onde possa fazer...

Nariz para fazer som!

Esse conhecimento, que é passado de uma geração para outra, também pode ser compartilhado com pessoas de fora daquele grupo, seja desinteressadamente ou, por exemplo, com o propósito de conservar o ambiente em que vivemos.