Girinos

Vamos conhecer mais sobre a infância dos sapos?

Da infância, passando pela adolescência até chegar à vida adulta, o corpo dos humanos sofre muitas mudanças. Mas nada se compara às transformações pelas quais passa um girino, que é a primeira fase de vida dos anfíbios anuros, como sapos, pererecas e rãs. Ele sai do ovo prontinho para se locomover, se alimentar e respirar na água e, quando a vida aquática já parece moleza, em poucos dias os girinos se transformam em predadores terrestres com quatro patas. Isso sim é que é mudança!

Quando observamos um grupo de girinos numa poça não fazemos nem ideia de como esses bebês anfíbios podem ser interessantes. Para começar, é bom saber que girino não é tudo igual. Na verdade, uma em cada sete espécies de sapo nem passa pela fase de girino, já saem do ovo como miniaturas dos adultos. As demais espécies têm cada uma um tipo de girino, variando em forma, tamanho, cor e hábitos. Eles podem ser listradinhos, gordinhos ou compridos, alguns podem ser minúsculos e outros maiores que uma caneta!

A maior parte dos girinos se alimenta de algas e pequenas partículas na água. Esse hábito faz com que eles sejam importantes para manter a limpeza e a qualidade da água em muitos riachos.

Já em outras espécies, os girinos podem ser predadores vorazes, comendo ovos e larvas de outros sapos e insetos aquáticos. Isso faz deles importantes também no controle de populações de mosquitos vetores de doenças.

Tem até girino canibal. Isso mesmo! Em alguns ambientes imprevisíveis, como poças que podem secar rapidamente, alguns girinos podem comer os próprios irmãozinhos, para assim sofrer metamorfose mais rápido e não correr o risco de morrer na secura.

Mas, em muitas espécies, os girinos irmãos se dão muito bem e formam até “cardumes”, que os ajudam a encontrar alimento, se aquecer ao sol e, principalmente, se defender contra predadores. O mais legal é que esses girinos que se agrupam reconhecem os próprios irmãos através do cheiro. E mesmo que você misture cardumes de diferentes pais em uma piscina, em poucos minutos os grupinhos de irmãos se reúnem novamente. Não é demais?!

Quem gostou do assunto pode aprender mais sobre girinos baixando gratuitamente a incrível coleção de livros infantis Girinos do Brasil.


Vinícius São Pedro,
Centro de Ciências da Natureza,

Universidade Federal de São Carlos

Sou biólogo e, desde pequeno, apaixonado pela natureza. Um dos meus passatempos favoritos é observar animais, plantas e paisagens naturais.

Matéria publicada em 19.08.2019

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

CONTEÚDO RELACIONADO

O misterioso peixe do São Francisco

Nas águas desse rio nada um peixe que é a cara do tamanduá!

O dia em que a cidade ficou verde

Conservar áreas verdes nas cidades é tudo de bom!

Open chat