Eureka, a tia da descoberta!

No Maranhão, clube de ciências mistura diversão e aprendizado.

Olá, leitores da CHC! A inspiração para a coluna deste mês vem da cidade de Imperatriz, no Maranhão! Vamos conhecer o clube de ciências criado pela professora Luciene Santana. Ela conta que, desde criança, sempre foi muito curiosa e que o quintal de casa foi o seu primeiro laboratório: “Passava horas e horas deitada observando a comunicação das formigas”. Acabou virando bióloga e fez do microscópio o seu principal companheiro nas descobertas científicas.

Outra boa companhia que apareceu foi a Tia Eureka, personagem que Luciene criou. Trata-se de uma cientista que apresenta conceitos científicos de forma simples e diverte a todos com sua lanterna exploradora de cavernas e seu jaleco cheio de insetos, aranhas e escorpiões.

“Os clubes incentivam os alunos a serem persistentes e protagonistas do processo de construção do conhecimento”, diz Luciene. Além disso, estimulam o trabalho colaborativo, possibilitando o exercício do pensamento crítico, por meio da investigação e da experimentação.

Com a tia Eureka no comando, surgiram projetos como Cientista Mirim (2006), Clubes de Ciência STEAM (2018) e Museu Maker 3D (2019), todos voltados para o aprendizado da ciência. Claro que todo esse entusiasmo e amor pela profissão se refletem nos alunos.

Guilherme Viera, aluno do ensino fundamental, considera o clube “uma nova oportunidade de aprender não somente matemática e ciências, mas sim todos os conteúdos de uma só vez”. Já para a Jaqueline Lima, aluna do ensino médio, o clube “representa uma prévia de como será a minha atuação na faculdade, como iniciação na ciência que vai além do que a gente conhece”.

Tia Eureka com seu jaleco cheio de bichos, lanterna de exploradora de cavernas e lupa.
Alunas do Clube de Ciência.
Clube de Ciência STEAM: pintura das peças para exposição.

Muito legal, não é mesmo? E na sua escola, há um clube de ciências? Conta pra gente!

Grande abraço e até a próxima!


lazzaroni

Alberto Lazzaroni
Mestre em Ciências e Biotecnologia pela Universidade Federal Fluminense
Professor do CIEP 449 Intercultural Brasil-França

Nasci na Baixada Fluminense, no Rio de Janeiro, num tempo em que as crianças brincavam muito na rua. Tive uma infância bem feliz, sonhava em ser jogador de futebol. A paixão pelos bichos, no entanto, venceu a da bola. Hoje sou professor, apaixonado pela ciência e com um sonho: que haja um clube de ciências em cada escola do nosso país.

Matéria publicada em 06.03.2020

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

CONTEÚDO RELACIONADO

Quem foi Tiradentes?

Dentista, comerciante, militar, herói ou revolucionário?

Minitornado no potinho

A imagem de um tornado, ainda que vista na tela da TV, do cinema ou em fotografia, ninguém esquece. E o que você acha de criar um minitornado dentro de um potinho?