Dos desenhos animados para a realidade

Será que algum herói ou heroína virá salvar o oceano ou somos nós que temos de agir?

Ilustração Jaca

Você já viu Procurando Nemo? E Espanta Tubarões? Moana eu aposto que já! A Pequena Sereia talvez tenha visto também. Todos esses desenhos animados contam histórias relacionadas com o fundo do mar e revelam a riqueza da fauna e da flora que existe debaixo d’água. Mas há tantos problemas ameaçando essa biodiversidade… Precisamos conhecê-los para saber trabalhar pela conservação marinha!

Podemos começar a lista das grandes ameaças ao oceano pela queima de combustíveis fósseis – como a gasolina, o óleo diesel e o carvão mineral –, que geram resíduos como o gás carbônico. O aumento da quantidade de gás carbônico no ar provoca o aumento da temperatura da Terra. As águas do oceano, claro, também se aquecem. O gás carbônico em excesso torna a água do mar mais ácida. Águas mais quentes e acidificadas são alguns dos efeitos das mudanças climáticas que fazem e farão grandes estragos no fundo do mar. E sabe o que é pior? Esses problemas estão se somando a outros que já existiam (poluição, pesca excessiva e destruição de habitats) e também estão aumentando.

Mergulhando em um exemplo, vamos encontrar recifes de corais, que morreram aparentemente pelo aumento da temperatura. Mas a verdade é que a morte dos corais já estava anunciada pela perda de qualidade do ambiente onde cresciam. Além da poluição – resultado da falta de tratamento do esgoto que é lançado no mar, do excesso de utilização de fertilizantes e agrotóxicos nas plantações e do desmatamento das florestas – os recifes têm sido impactados pelo pisoteio de turistas e pela pesca predatória. É como se cada problema fosse uma doença que vai minando a saúde dos corais. Aí, quando as águas se tornam mais quentes que o normal (como vimos no parágrafo anterior), os recifes de corais ficam mais doentes, perdem as algas microscópicas, que são suas aliadas na produção de alimento, com isso perdem a cor e acabam morrendo.

Estudos mostram que, assim como os corais, boa parte dos ecossistemas marinhos está caminhando na mesma direção. Em Florianópolis, capital de Santa Catarina, o descaso com o tratamento de esgoto em conjunto com as mudanças climáticas causou a morte de milhares de animais e plantas marinhas no último verão.

Mas nem tudo está perdido. A ciência vem sugerindo soluções para sairmos dessa grande enrascada. A primeira sugestão é valorizar a educação: precisamos entender e espalhar informações que reforcem a gravidade do momento, a existência das mudanças climáticas e a necessidade de mudança de hábitos. A segunda sugestão está em exigir que as cidades  tratem o esgoto, façam reciclagem dos resíduos e preservem sua fauna e flora. A terceira é um convite para lutarmos por formas alternativas de energia (com o uso do sol e dos ventos, por exemplo), abandonarmos o consumo em excesso (sempre podemos valorizar os três “erres”: Reduzir, Reutilizar ou Reciclar!) e os combustíveis fósseis, além de reduzirmos o desmatamento e o uso de agrotóxicos, valorizando alternativas para a produção de alimentos presentes nas agroflorestas.

Nenhum herói ou heroína virá salvar a Terra. Somos nós que temos de ter consciência das nossas ações e trabalhar para reconstruir os ambientes que perdemos, e isso inclui os ambientes marinhos! Se nada for feito, os benefícios e a beleza do oceano serão apenas lembranças e histórias em livros, filmes e desenhos animados.


Paulo Antunes Horta
Laboratório de Ficologia – Departamento de Botânica
Universidade Federal de Santa Catarina

Matéria publicada em 16.04.2021

COMENTÁRIOS

  • Idenilce Borges

    Vou ser uma cientista no futuro e claro vou estudar a vida marinha e vou fazer de tudo para preservar os oceanos♡

    Publicado em 6 de dezembro de 2021 Responder

  • Iara

    Amei está super errado isso as pessoas poluindo o mar a natureza nos temos e que cuidar do mundo que vivimos

    Publicado em 6 de dezembro de 2021 Responder

Envie um comentário

CONTEÚDO RELACIONADO

Floresta azul?

Debaixo d’água existe uma floresta tão importante quanto às que temos em terra firme!

Um urso pelo Brasil

Ele dominou as Américas, mas desapareceu misteriosamente

Open chat