Dinossauros, os ancestrais das aves!

É verdade ou mentira que as aves são parentes desses répteis fascinantes?

 

Essa é uma história antiga. Muito antiga mesmo, se pensarmos que os dinossauros surgiram na Terra há milhões de anos. Mas essa história ainda não teve fim, porque há animais hoje que apresentam semelhanças com esses répteis. Pensou nas aves?

É difícil imaginar como seres tão diferentes podem ter características em comum, mas a evolução explica tudo! A evolução é um processo natural de transformação pelo qual todos os organismos passam e se diferenciam de seus ancestrais. Porém, a evolução é também um processo lento, e muitas gerações são necessárias para que uma alteração na característica de uma espécie possa ser percebida por nós, humanos.

Os cientistas pesquisam as diferentes espécies e observam como elas se comportam no ambiente. Assim, eles podem chegar à conclusão de que o tempo passou, mas algumas características fundamentais não foram modificadas. Isso às vezes é notado entre animais bem diferentes aos nossos olhos. É o que acontece entre as aves e os dinossauros.

Além das penas

As aves são facilmente reconhecidas porque exibem penas, característica adquirida dos seus ancestrais – sim, dos dinossauros terópodes. Esses ancestrais das aves não eram capazes de voar, porque suas penas se concentravam principalmente na cauda e nas costas. Mas essas estruturas ofereciam outras vantagens: manter o calor do corpo e tornar os dinossauros mais vistosos!

As penas diminuíam a perda de calor e, por isso esses animais conseguiam se deslocar com maior velocidade e eficiência. Os pinguins, por exemplo, herdaram essa característica e podem passar muito tempo em contato com águas frias. Suas penas são também impermeáveis e diminuem a perda de calor durante o mergulho.

O controle mais eficiente da temperatura do corpo também está associado a um rápido crescimento dos filhotes. Crescer depressa é uma vantagem para as aves, que podem se livrar mais cedo dos predadores. As penas também contribuem para tornar os animais mais chamativos e facilitar a comunicação entre parceiros da mesma espécie. Assim, os filhotes estão garantidos, pois o macho e a fêmea vão logo se reconhecer e namorar!

Além de tudo, ao longo de muitos anos, as penas contribuíram para que algumas espécies conseguissem voar.

Dinossauro com penas

O Archaeopteryx é o representante mais conhecido do grupo que deu origem às aves. Ele viveu há aproximadamente 150 milhões de anos, durante o Jurássico, uma das Eras geológicas em que viveram os dinossauros.

PENTAX Image
Modelo de Archaeopteryx, Museu de História Natural da Universidade de Oxford.
Foto Ballista/Wikimedia Commons-SA-3.0

Um voo para o futuro

A capacidade de voar adquirida pelas aves é considerada um dos acontecimentos mais extraordinários na evolução dos vertebrados, ou seja, dos animais que têm coluna vertebral. Essa habilidade não está apenas associada à presença de penas, mas também a inúmeras modificações no corpo desses animais.

Adaptações das aves

1) Esterno (osso peitoral) em forma de quilha, que permitiu a fixação de músculos fortes associados ao movimento das asas;

2) Ossos mais leves, dotados de cavidades;

3) Sistema de sacos aéreos, associado à diminuição da densidade corporal.

Esse conjunto de adaptações possibilita que algumas espécies de aves, como os urubus, alcancem aproximadamente nove mil metros de altitude. Aves marinhas, como a andorinha-do-ártico, percorrem até 80 mil quilômetros por ano. A maior parte dos ancestrais das aves, como o Archaeopteryx, não tinha as características indicadas na imagem. Talvez, por isso, não existam mais, como as aves modernas.

Wikipédia

As características adquiridas pelas aves ao longo da sua evolução são importantes para o equilíbrio do ambiente. Quando voam, as aves carregam o pólen das plantas nas penas ou espalham sementes por meio de suas fezes. A polinização permite a reprodução de muitas espécies de plantas. A ampla capacidade de deslocamento das aves contribui com o transporte de nutrientes para o oceano. Isso mesmo! Os mares tropicais são pobres em nutrientes, e as aves, que migram de uma região para outra, espalham nutrientes por meio das fezes.

Atualmente, as aves constituem um dos grupos de vertebrados mais diversos – são mais de 10 mil espécies existentes, que incluem desde pequenos beija-flores (que pesam apenas dois gramas) até grandes avestruzes (cerca de 60 mil vezes mais pesados).

A má notícia é que, entre as aves, há um grande número de espécies ameaçadas de extinção. As principais razões são a caça e a destruição de seu ambiente natural. Para que elas continuem no caminho da evolução, nós, humanos, precisamos ajudar a preservar o ambiente em que vivem. Você não acha?


Davi Castro Tavares,

Centro Leibniz de Pesquisa Marinha Tropical (ZMT),
Bremen, Alemanha

Matéria publicada em 25.07.2018

COMENTÁRIOS

  • Anna Elise

    A minha irmã já havia me contado isso.

    Publicado em 11 de agosto de 2018 Responder

Envie um comentário

admin

CONTEÚDO RELACIONADO

O Urutau

Agosto é mês do folclore! E a CHC convida você a participar de uma bela dança, que veio da Europa e foi adaptada por nós, brasileiros. Vamos dançar?

Quero saber…

Respostas interessantes para perguntas muito curiosas!