Diga-me com quem andas e eu te direi quem és

Já pensou em como nosso cérebro entende os ditados populares?

Ilustração Marcello Araújo

Avós, tios ou tias-avós, pessoas que estão a duas ou mais gerações de distância das crianças parecem adorar ditados populares, não é mesmo? Às vezes, a gente se pega pensando no sentido dessas frases, como é o caso de “Diga-me com quem andas e eu te direi quem és”. Será que as neurociências podem nos ajudar na tarefa de entender o significado?  Vamos ver…

 


priscila
marta

Priscilla Oliveira Silva Bomfim
& Marta Nudelman

Núcleo de Pesquisa, Ensino, Divulgação e Extensão em
Neurociências (NuPEDEN),
Universidade Federal Fluminense

“Sou uma pesquisadora apaixonada pelo cérebro e aqui vamos conversar sobre a (neuro) ciência dos ditados populares”.

Marta Nudelman é a convidada da vez! É bióloga e
integrante do Núcleo de Pesquisa, Ensino, Divulgação e
Extensão em Neurociências (NuPEDEN) da Universidade
Federal Fluminense”

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje das Crianças

admin

CONTEÚDO RELACIONADO

Floresta azul?

Debaixo d’água existe uma floresta tão importante quanto às que temos em terra firme!

Um urso pelo Brasil

Ele dominou as Américas, mas desapareceu misteriosamente

Open chat