Corrida fantástica

Ilustração Marcello Araújo

Lebres e tartarugas são animais bem diferentes.   A lebre é um mamífero da família dos coelhos e é conhecida por sua rapidez. Já a tartaruga é um réptil que sempre levou a fama de ser um animal sem muita pressa para chegar.

Pois bem, eis que certo dia a lebre resolveu desafiar a tartaruga para uma corrida fantástica, garantindo-se, é claro, na sua fama de ligeirinha. Já sentia-se vencedora, dava saltos e se alongava, como um verdadeiro corredor.

A tartaruga, porém, resolveu entrar para valer nessa competição. Fez ginástica para fortalecer as pernas e treinou muito. Incansável na sua determinação por vencer, ela era observada pela lebre, que zombava de seus esforços.

O dia da corrida chegou. Lebre e tartaruga, cheias de gás, pareciam atletas de verdade, com roupas especiais e tênis apropriados para a corrida.

– Em posição! Já! – disse o macaco-juiz em cima do galho.

A tartaruga estava correndo o mais rapidamente que conseguia, mas foi ultrapassada pela lebre. Vendo que sua concorrente já estava muito para trás, a lebre resolveu poupar seus esforços e descansar. Exausta da corrida, acabou pegando no sono!

A tartaruga continuava correndo com grande empenho. Em certa altura da corrida, passou pela lebre, que estava dormindo que era uma beleza… Até sonhava!

Quando a lebre despertou, sua adversária já estava quase cruzando a linha de chegada. Desesperada, ainda tentou correr o mais rápido que pôde para alcançar a tartaruga. Mas todo o seu esforço não adiantou.

A tartaruga venceu e ainda saiu para comemorar com os outros animais que assistiram à corrida.

A lebre? Bom, essa, de agora em diante, vai pensar duas vezes antes de duvidar de uma tartaruga e de sua força de vontade.

 

Nesta livre adaptação da CHC, você tem a oportunidade de conhecer (ou reler) uma fábula conhecida no mundo inteiro. Sua autoria é atribuída a um grego chamado Esopo, criador de muitas outras histórias com propósito de transmitir alguma lição. Muito tempo depois de Esopo, por volta do século 15, o francês Jean de La Fontaine recontou a Corrida fantástica, fazendo com que este e outros contos se tornassem clássicos da literatura infanto-juvenil.

Matéria publicada em 18.07.2019

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

CONTEÚDO RELACIONADO

Histórias de uma coisa que todo mundo faz

Você pode estar em casa, na maior tranquilidade, quando bate a vontade. Pode também estar na escola e ficar meio com vergonha de saberem que foi você quem fez. Pode ainda estar na rua e ter de correr para achar um lugar onde possa fazer...

Nariz para fazer som!

Esse conhecimento, que é passado de uma geração para outra, também pode ser compartilhado com pessoas de fora daquele grupo, seja desinteressadamente ou, por exemplo, com o propósito de conservar o ambiente em que vivemos.