Congela!

Alguns animais parecem ter um piripaque quando encontram seus predadores. Será que ficam paralisados de medo?

Uma serpente localiza um ratinho. Lenta e silenciosamente, ela vai em direção ao pequeno roedor, que, ao perceber a aproximação do predador, não foge. Ao contrário, fica completamente imóvel! Será que foi hipnotizado pela serpente? Ou será que é um ratinho muito corajoso?

Bem, esta é uma situação comum na natureza, que se repete no encontro entre diversos tipos de predadores e suas presas. Pode até ser que você já tenha observado algo parecido quando viu um gato tentando atacar uma lagartixa ou um passarinho. Ou mesmo com você quando, diante de um cão muito bravo, em vez de correr… Congela! Mas a explicação para essa reação não tem nada a ver com poderes hipnóticos dos predadores ou com a coragem das presas. Pode crer!

É natural pensarmos que fugir ou mesmo contra-atacar podem ser as melhores táticas diante da aproximação de um predador. Porém, por mais curioso que pareça, ficar completamente imóvel pode ser a opção mais segura em algumas situações. Este curioso comportamento de defesa é chamado de congelamento ou imobilidade e está presente nos mais diferentes animais: invertebrados, peixes, anfíbios, aves e mamíferos (incluindo seres humanos!).

Acredite, ficar bem quietinho pode ser a melhor maneira de sobreviver ao encontro com um predador.
Foto Vinícius São Pedro

Mas será mesmo que fugir não seria menos arriscado? Nem sempre! É que certos predadores só decidem atacar quando percebem determinadas pistas visuais ou pequenas vibrações no solo, que dependem diretamente do movimento da presa. Logo, tentar fugir pode incentivar o ataque do predador enquanto ficar completamente imóvel pode desencorajá-lo.

Alguns predadores, como aranhas, podem usar o movimento da presa como uma pista para o momento certo de atacar. Por isso, pode ser mais vantajoso para as presas ficar imóveis e esperar que o predador vá embora.
Foto Brad Smith/Flickr

Outra coisa legal sobre o comportamento de congelamento é que ele é involuntário, ou seja, a presa não avalia a situação e decide ficar quietinha. A visão ou o cheiro do predador simplesmente disparam uma reação fisiológica que paralisa momentaneamente o corpo da presa. Então, da próxima vez que você se sentir paralisado na frente de um cachorro bravo fique sabendo que é apenas o seu instinto animal falando mais alto.


vinicius

Vinícius São Pedro,
Centro de Ciências da Natureza,
Universidade Federal de São Carlos

Sou biólogo e, desde pequeno, apaixonado pela natureza. Um dos meus passatempos favoritos é observar animais, plantas e paisagens naturais.

Matéria publicada em 20.10.2020

COMENTÁRIOS

  • Bruno, do Paraná

    Oi meu nome é Bruno essa experiência ou que for isso é muito massa
    Tenho 9 anos

    Publicado em 5 de novembro de 2020 Responder

  • Marlova Maria Groth

    Ijuí, 06 de novembro de 2020.

    Olá Vinícius, tudo bem com você?

    Somos alunos do 3º ano B, do Colégio Evangélico Augusto Pestana de Ijuí que fica no RS. Em uma de nossas aulas ao vivo a professora Marlova mostrou o site da revista e leu a sua reportagem sobre os animais que paralisam na frente do predador. Chamou a nossa atenção o fato que os animais agem por instinto para se proteger. É legal esses assuntos pois fazem a gente aprender coisas diferentes.
    A nossa turma gosta de ciências, de experiências e de assuntos que falam da natureza.
    Adoramos a sua reportagem, espero que goste da nossa carta. Um grande abraço da turma do 3º ano B.

    Publicado em 6 de novembro de 2020 Responder

  • Cristiane Raquel Kruger Bertoldo

    Ijuí, 6 de novembro de 2020

    Olá Vinícius!!!
    Tudo bem com você?
    Nós somos alunos do 3o ano A, do CEAP -Colégio Evangélico Augusto Pestana, Hoje lemos a sua reportagem e conhecemos um pouco mais sobre os animais, ficamos admirados com tudo isso.
    Nós também estamos estudando os animais e fomos desafiados pela professora a escrever uma carta para você!
    Continue sendo esse biólogo especial que ama a natureza, nós também amamos e ajudamos a preservar.

    Um abraço…
    Amanda, Amanda, Artur, Breno, Bruno, Emanuelly, Guulherme, Guilherme, Gustavo, Isabella, Isabelli, Joaquim, Letícia, Ludmilla, Luisa, Luiza, Manuela, Mariana, Pedro, Pietra, Rafaela, Rafaela, prof. Cris.

    Publicado em 6 de novembro de 2020 Responder

  • Charliston/ba/serrinha/Colégio Golden

    Olá
    Meu nome é Charliston e eu gostei muito do artigo Congelar Ele é interessante e fala sobre a presa congelar guando um predador estiver presente, Sempre achei que era medo. Adoro coisas relacionado a biologia.
    Até a proxíma.

    Publicado em 9 de novembro de 2020 Responder

  • Julia

    Oii eu amei o texto li muitas vezes kk

    Publicado em 11 de novembro de 2020 Responder

  • Júlia

    Excelente texto!

    Publicado em 24 de novembro de 2020 Responder

  • Lara Yasmim

    Gostei muito de saber que, quando a gente fica paralisado na frente do predador, é instinto nosso. Adorei o texto e a forma como você explicou sobre o instinto do animal.

    Publicado em 25 de novembro de 2020 Responder

  • Kailly Duanne

    Adorei saber que uma presa congela por instinto animal não por medo, sempre pensei ao contrário. Gostei do seu texto a forma que você explicou cadê detalhe do assunto não tem como ficar com dúvidas.

    Publicado em 26 de novembro de 2020 Responder

  • Kailly Duanne

    Adorei saber que uma presa congela por instinto animal, não por medo. Sempre pensei ao contrário. Gostei do seu texto a forma que você explicou cada detalhe do assunto não tem como ficar com dúvidas.

    Publicado em 26 de novembro de 2020 Responder

  • Henderson

    Adorei o texto! Gostei de saber que as presas ficam paradas como um mecanismo de defesa e não por medo. Gostei também da forma que o autor explicou o fato, assim, eu não fiquei com nenhuma dúvida.

    Publicado em 26 de novembro de 2020 Responder

  • José Neto

    Olá! Boa noite! Gostei muito de saber que alguns animais ficam, simplesmente, paralisados ao encontrar seu predador, até por que eles não têm condições de enfrenta-lo. E também achei bastante incrível a forma que você descreve o instinto animal. Ele é bem complexo. Há muita coisa para aprender.

    Publicado em 26 de novembro de 2020 Responder

  • Livia Raquel

    Adorei saber que os animais ficam paralisados, não por medo, mas pelo instinto animal. Sempre achei que fosse por medo. Também gostei da forma clara e objetiva que o autor explicou o assunto. Não fiquei com nenhuma dúvida.

    Publicado em 27 de novembro de 2020 Responder

  • José Luiz

    Interessante, não sabia que a presa paralisava, eu pensava que a presa apenas fugia do predador, foi uma descoberta incrível, e ainda por cima com essa explicação muito bem detalhada, muito bem explicado. Desejo ao o autor que continue assim.

    Publicado em 29 de novembro de 2020 Responder

Envie um comentário

CONTEÚDO RELACIONADO

Cateretê

Dança tradicional (domínio público)

Bala que se transforma

A ciência costuma dar nomes engraçados para as coisas. Na mistura de água com açúcar, o açúcar é chamado soluto e a água, solvente.