A árvore sagrada da Amazônia

A mitologia indígena brasileira é repleta de figuras ligadas à força da natureza. Tupã seria o deus do trovão, criador do céu, da terra e das águas. Jaci seria a deusa Lua, mãe dos vegetais. Guaraci, o deus Sol, seria o guardião do dia. E a samaúma, conhece? Ela é a árvore sagrada da Amazônia para os povos indígenas da região. Mas por quê?

Foto Renilson Silva/Wikimedia Commons

A samaúma é uma das maiores árvores do Brasil, com cerca de 60 metros de altura e troncos com dois metros de diâmetro. Os cientistas a batizaram de Ceiba pentandra, mas, popularmente, também é chamada de samaumeira, árvore da vida ou escada do céu. Para os indígenas da região amazônica, ela é a “mãe-das-árvores”.

Segundo a mitologia indígena, assim como as mães costumam sempre olhar por suas crias, a samaúma, por sua grandiosidade, “enxerga” toda a floresta por cima. Ainda por essa tradição, na base da árvore existe um portal invisível aos olhos humanos que liga o nosso universo ao universo dos seres divinos, que protegem a floresta e os animais, como um “espírito materno”.

 

Aníbal da Silva Cantalice
Universidade Federal do Piauí

Marcela Eringe Mafort
Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais

Jean Carlos Miranda
Universidade Federal Fluminense

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje das Crianças

CONTEÚDO RELACIONADO

Cateretê

Dança tradicional (domínio público)

Bala que se transforma

A ciência costuma dar nomes engraçados para as coisas. Na mistura de água com açúcar, o açúcar é chamado soluto e a água, solvente.