Ajuda animal

Quem já se queimou sabe o quanto isso pode doloroso, e como dá trabalho cuidar do ferimento que fica! O tratamento, porém, pode ficar mais fácil e barato com um curativo criado por pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas. Ele é feito com substâncias químicas especiais e pele suína. Ficou curioso? Então vamos entender como isso funciona!

Curtativo feito a partir de pele de porco

No Brasil, aproximadamente um milhão de pessoas se queimam por ano, e dois terços delas são crianças. O novo curativo pode tornar o tratamento de queimaduras mais barato e menos doloroso (Foto: Giselle Cherutti)

Quando acontece uma queimadura, a orientação dos médicos é lavar o local com água corrente e correr para um posto de saúde o mais rápido possível. Na maior parte dos casos, o procedimento indicado é fazer um curativo no local e trocá-lo de tempos e tempos. Esse processo pode ser caro e trabalhoso – alguns pacientes precisam até de cirurgia.

Pensando em como facilitar o tratamento, a bióloga Giselle Cherutti desenvolveu um dispositivo que não precisa ser trocado. Ele é feito de compostos químicos especiais que, além de proteger o local contra infecções, são pouco a pouco absorvidos pelo organismo, dispensando as cirurgias feitas para remover os curativos comuns.

Porco

Você sabia que a pele dos porcos é bastante parecida com a dos humanos? Graças a essa semelhança, esses animais podem nos ajudar a tratar queimaduras (Foto: Wikimedia Commons)

Outro ingrediente fundamental para o novo tratamento é a pele de porco, que ajuda na regeneração do local queimado. “A derme suína foi escolhida porque sua composição é 78% compatível com a nossa”, conta a cientista. Ela usou a camada mais porosa da pele do animal, que ajuda na regeneração da pele humana e, por suas características flexíveis, garante mais conforto ao paciente.

O novo curativo é também mais barato que os atualmente usados nos hospitais, além de trazer menos risco de rejeição. Porém, como está em fase de testes, o tratamento deve levar um tempo para chegar aos hospitais. Para terminar, não preciso nem dizer, né? O melhor remédio ainda é a prevenção. Todo mundo longe das panelas quentes, por favor!

Matéria publicada em 28.11.2012

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

Camille-Dornelles

Quando criança, gostava de fazer experimentos dentro de casa e explorar o mundo. Hoje, na CHC, me sinto brincando de cientista e trabalhando como jornalista ao mesmo tempo.

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat