Você sabia…

É verdade! Há cerca de mil anos, o cientista árabe Ibn al-Haytham escreveu um livro muito importante para entender a visão e a luz. É muito tempo! Mas nossa história começa até antes. Por volta de três mil anos atrás, muita gente, especialmente na Grécia, já tentava entender como nós, humanos, vemos as coisas – tanto as mais próximas quanto as mais distantes.

(ilustração: Lula Palomanes)

(ilustração: Lula Palomanes)

Na época, apareceram três explicações. A primeira afirmava que os olhos lançam uma espécie de raio que atinge os objetos e permite que a gente os veja. A segunda sugeria que os objetos emitem miniaturas (ou películas), com a mesma forma deles, e elas entram nos nossos olhos e assim os vemos. A terceira dizia que a visão de um objeto é transmitida por um meio transparente que existe entre o objeto e os nossos olhos. Durante uns dois mil anos muitas pessoas acreditavam em uma dessas explicações, criticavam as dos outros e ninguém chegava a um acordo.

Aí entrou em cena Abu Ali al-Hasan Ibn al-Hasan Ibn al-Haytham – nome completo do artista, ou melhor, cientista desta nossa história. Ele nasceu em Basra, no atual Iraque, no ano de 965. Depois, foi morar no Egito e ficou estudando e pesquisando sobre a luz, a visão e a natureza até morrer com uns 75 anos.

Ele escreveu o Livro de Ótica, ou Kitab al-Manazir em árabe, combinando o que se sabia antes sobre o assunto e chegou a uma nova, e bem melhor, explicação sobre a visão e a luz. Imaginou que cada ponto de um objeto luminoso (ou iluminado) emite raios de luz em todas as direções. Fez muitos experimentos, usando até uma câmara escura, e mostrou que a luz caminha em linha reta dos objetos até os olhos. E como o olho vê? Para ele, vemos um objeto quando um raio de luz, que saiu dele, bate perpendicularmente no cristalino, que al-Haytham considerava a parte sensível, do nosso olho. Teoria complicada? Sim. Certa? Em parte.

A proposta do cientista árabe foi um grande avanço. O livro foi traduzido para a Europa e influenciou o pensamento de outros cientistas. Um deles era o alemão Johannes Kepler, que viveu entre 1571 e 1630, e propôs, 600 anos depois de al-Haytham, uma explicação muito melhor para a visão. Para Kepler, o cristalino funciona como uma lente que vai ajudar a formar a imagem do objeto no fundo do olho, a retina, e esta é que é a parte do olho sensível à luz.

Você pensa que hoje a ciência entende direitinho, tim-tim por tim-tim, como funciona a luz e a visão? Não, mesmo! A gente sabe muito mais coisas do que o nosso amigo árabe sabia, mas existem ainda muitas perguntas não respondidas. A ciência é assim mesmo. E isto é uma das coisas que a torna fascinante. Como a luz…

Este artigo foi publicado na CHC 271, uma edição especial sobre o Ano Internacional da Luz. Vale a pena bisbilhotar os outros textos da revista!

Matéria publicada em 25.09.2015

COMENTÁRIOS

  • Júlio Cesar

    Que pra mim que criou a Luiz foi Robert Einstein mais não então a minha teoria estava errada que criou a Luiz foi Johannes kepler

    Publicado em 12 de novembro de 2020 Responder

    • Jeovana Luiza ❤

      Quem criou a luz foi Thomas Edison, e quem inventou a teoria de como os nossos olhos veêm foi Johannes Kepler. Entendeu, César?

      Publicado em 23 de janeiro de 2022 Responder

Envie um comentário

Ildeu de Castro Moreira

CONTEÚDO RELACIONADO

Grêmio Recreativo Escola de Samba Turma do Rex apresenta… A história do carnaval!

Rex, Diná e Zíper vão passar o carnaval no Rio de Janeiro e aproveitam para contar a você muitas curiosidades sobre o passado dessa festa!

Open chat