A viagem do peixe palhaço

Imagine peixes-palhaços viajantes – se você já assistiu à animação Procurando Nemo, fica fácil pensar neste cenário. Mas, se na ficção é um pai que sai pelo mundo à procura de seu filho perdido, na natureza as coisas são diferentes: uma recente pesquisa comprovou que esses peixes viajam sim, mas são os filhotes que, ainda muito novinhos, na forma de larvas, percorrem grandes distâncias à procura de um novo lar.

O estudo mostrou que algumas larvas de peixes palhaços, assim que nascem, percorrem grandes distâncias no oceano para encontrar uma anêmona em um recife. (foto: Sergiu Bacioiu / Flickr / <a href= http://creativecommons.org/licenses/by-nc/2.0/br/> CC BY-NC 2.0</a>)

O estudo mostrou que algumas larvas de peixes palhaços, assim que nascem, percorrem grandes distâncias no oceano para encontrar uma anêmona em um recife. (foto: Sergiu Bacioiu / Flickr / CC BY-NC 2.0)

A pesquisa, realizada em Omã, país localizado no Oriente Médio, estudou duas populações de uma mesma espécie de peixe-palhaço que habitam dois recifes separados por 400 quilômetros de distância.

“Coletamos amostras de DNA de quase 400 animais e descobrimos que, apesar de se tratarem da mesma espécie, as duas populações tinham algumas características genéticas capazes de diferenciar os habitantes do recife Sul e habitantes do recife Norte, como se tivessem sotaques diferentes”, conta Hugo Harrison, biólogo marinho da Universidade James Cook, da Austrália, e um dos participantes da pesquisa.

Os cientistas também observaram, no entanto, alguns peixes com características do recife Norte no recife Sul e vice-versa. “Ou seja, os dois recifes estavam conectados de alguma forma, pois alguns peixes estavam migrando de um lado a outro”, alega Hugo.

Estratégia de viagem

Os pesquisadores acreditam que algumas larvas decidem fazer essa grande viagem, enquanto a maioria permanece no habitat em que nasceu. Apesar de parecer um ato de coragem, a estratégia de viajar até outro recife é muito natural.

O pequeno peixe-palhaço se esconde nas anêmonas – um animal venenoso que fica preso ao solo marinho – e é imune ao seu veneno. (foto: Steve Simpson / Universidade Exeter)

O pequeno peixe-palhaço se esconde nas anêmonas – um animal venenoso que fica preso ao solo marinho – e é imune ao seu veneno. (foto: Steve Simpson / Universidade Exeter)

“Esse procedimento ajuda a evitar uma superpopulação dos peixes e também a endogamia, quando os sucessivos acasalamentos entre parentes acaba por enfraquecer os descendentes”, esclarece o biólogo marinho Steve Simpson, da Universidade Exeter, Inglaterra, que também participou do estudo. “E, além disso, a estratégia permite colonizar novos habitats”.

Essas larvas viajantes medem cerca de dois milímetros de comprimento e se deslocam impulsionadas pelas correntes oceânicas, assim como acontece no filme – porém, na vida real, o percurso é solitário, já que não contam com a ajuda de tartarugas ou outros animais amigos.

“Elas permanecem larvas durante todo o trajeto e só atingem a forma adulta da espécie quando chegam à segurança de uma anêmona”, explica Hugo. “A descoberta nos ajuda a entender melhor essas populações marinhas e a perceber que elas não são tão separadas como se pensava”. Uma viagem e tanto!

Matéria publicada em 28.10.2014

COMENTÁRIOS

  • Anna Elise

    Adorei saber da descoberta!

    Publicado em 18 de janeiro de 2019 Responder

Envie um comentário

Isabelle Carvalho

Desde criança, sempre gostei de ler e escrever histórias. Hoje, estou muito feliz por poder contar muitas histórias sobre ciência na CHC!

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat