A seca e a miséria

Eis alguns versos em que João Cabral de Melo Neto fala sobre o sertão nordestino, fazendo uso da linguagem matemática:

– Cemitérios gerais
que os restos não largam
até que os tenham trabalhado
com sua parcial matemática.

– E terem dividido
o resto pelo nada,
e então restando do que resta
a pouca coisa que restava.

– Aqui, toda aritmética
dá o resultado nada,
pois dividir e subtrair são as operações empregadas.

– E quando alguma coisa
é aqui multiplicada
será sempre para elevar
o resto à potencia do nada.

É preciso saber matemática para entender esta poesia! Os poetas precisam estudar para fazer belas poesias. Para entendê-las, a gente também precisa estudar.

Matéria publicada em 15.06.1999

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

Jose-Americo-Miranda

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat